Que a edição de setembro de 2019 foi impactante tanto no mundo da moda, quando em outras rodas, isso já sabíamos. Mas no ultimo dia 13 tivemos noticias diretamente do editor-chefe da British Vogue do sucesso da edição co-editada pela Duquesa de Sussex.

Nas palavras de Edward Enninful:

Fico feliz em informar que nas vendas da banca de jornais da @BritishVogue aumentaram no segundo semestre de 2019, mas o verdadeiro destaque para mim é o desempenho da edição de setembro de 2019. #ForcesForChange, editado pela Duquesa de Sussex @SussexRoyal, foi a edição que mais vendeu na história da #BritishVogue (esgotada em 10 dias) e a edição mais vendida da década passada. Mal posso esperar para ver o que 2020 tem reservado…

Com seu conteúdo lançado em agosto e com a revista finalmente nas bancas em setembro, Meghan se tornou a primeira pessoa a co-editar uma Vogue na história da revista em seus 104 anos de história. Edward e a Duquesa seis meses apos o lançamento oficial relembram o sucesso da edição. No inicio do mês, Enninful já havia anunciado que a Forces for Change não seria algo pontual, mas sim um movimento presente em todas as edições.

Ontem, a Duquesa de Sussex lançou um vídeo inédito, onde ela e Edward compartilharam alguns detalhes da produção da edição de setembro. No vídeo filmado na casa de Edward Enninful em Londres, pudemos ver as ligações que ambos fizeram para as mulheres escolhidas para estampar a capa da British Vogue e como elas reagiram com a noticia. Em um dos momentos do vídeo, Meghan faz uma pequena surpresa para o editor para que eles pudessem comemorar o trabalho concluído e nessa manhã, Edward divulgou uma foto de ambos naquele momento:

© Edward Enninful – Instagram

 

Jane Fonda ao fim do vídeo elogiou a iniciativa da Duquesa:

Meghan, estou muito orgulhosa de você por usar sua plataforma incrível e sua voz forte, e estou honrada em fazer parte disso com todas aquelas mulheres incríveis.

Assista o video completo e legendado em nosso canal no youtube.

Sejam muito bem vindos a nova versão do Meghan Markle Brasil, sua única e melhor fonte de informações sobre a Duquesa de Sussex na América Latina. Após um ano no ar, levando a vocês o melhor conteúdo sobre a Meghan, decidimos dar uma repaginada em nosso site e criar novos conteúdos.

Graças a nossa incrível design Brenda do sunflowerdsgn, todos os nossos layouts ganharam versões novas. Não temos palavras para agradecer a todo esforço da Brenda, que além de uma profissional perfeita, ainda faz parte da nossa equipe. Também agradecemos grandemente a Bruna do codeforfan, que codificou todo o site e o colocou no ar.

Nessa nova fase do MMBR, temos uma wikipedia, o MEGHANPEDIA, voltando exclusivamente para toda a carreira da Meghan, lá você encontrará sua biografia, filmografia, detalhes de como escrever cartas para a Duquesa, além do conteúdo de seu antigo blog, o THE TIG, traduzido. As postagens referentes ao The Tig serão semanais e você encontrará todos os sábados um post novo.

Esperamos que vocês gostem dessa nossa nova era. Pensamos sempre em trazer o melhor conteúdo a todos e agradecemos todo apoio que recebemos nesse primeiro ano online. Aproveitem o site que foi feito especialmente para vocês!

Finalmente após o primeiro choque do anuncio do Duque e da Duquesa de Sussex sobre o passo atrás que eles estão dando ao saírem da realeza sênior, atualizações de como será a vida do casal daqui para frente foi enfim anunciadas pela Casa de Windsor. Através de um comunicado a Rainha Elizabeth II mostrou seu total apoio a decisão do casal, além de citar brevemente os problemas que levaram os Sussexes a tomar essa decisão:

Depois de meses de conversas e outras mais recentes, eu fico feliz que juntos encontramos uma solução construtiva para o futuro do meu neto e sua família.

Harry, Meghan e Archie sempre serão membros muito amados de minha família.

Eu reconheço os desafios que eles experimentaram como resultado da intensa perseguição nesses dois anos e apoio seu desejo de uma vida independente.

Gostaria de agradecer a eles por seu trabalho dedicado ao país, Commonwealth e além e eu estou particularmente orgulhosa de como a Meghan se tornou rapidamente parte da família.

É com toda a esperança da família que esperamos que o acordo de hoje permita que eles construam uma vida feliz e em paz.

É de grande importância que no comunicado da Rainha tenha uma citação sobre a perseguição que principalmente Meghan sofreu nos últimos dois anos. As palavras da monarca refletem a importância que ela dá a sua família e seus desejos e sua dedicação em manter sua família bem, independente de qualquer situação. Em seguida, o Palácio de Buckingham enviou a imprensa um novo comunicado explicando as minucias do afastamento dos Sussexes dos deveres reais e como isso afetará a vida de ambos:

O Duque e a Duquesa de Sussex são gratos a Sua Majestade e à Família Real por seu apoio contínuo enquanto embarcam no próximo capítulo de suas vidas.

Conforme acordado neste novo arranjo, eles entendem que são obrigados a voltar das funções reais, incluindo compromissos militares oficiais.

Eles não receberão mais fundos públicos para os deveres reais. Com a bênção da Rainha, os Sussexes continuarão mantendo seus patrocínios e associações particulares.
Embora não possam mais representar formalmente a Rainha, os Sussexes deixaram claro que tudo o que fizerem continuará a defender os valores de Sua Majestade.

Os Sussexes não usarão seus estilos de Sua Alteza Real, pois não são mais membros trabalhadores da Família Real.

O Duque e a Duquesa de Sussex compartilharam seu desejo de reembolsar as despesas do Sovereign Grant pela reforma do Frogmore Cottage, que continuará sendo sua casa familiar no Reino Unido.

O Palácio de Buckingham não comenta os detalhes dos arranjos de segurança. Existem processos independentes bem estabelecidos para determinar a necessidade de segurança com financiamento público.

Este novo modelo entrará em vigor na primavera de 2020.

Mesmo com esse comunicado, duvidas ainda pairaram no ar e através de um repórter real de confiança, Omid Scobie, podemos dissertar sobre os fatos.

  1. Harry e Meghan continuarão sendo Suas Altezas Reais, O Duque e a Duquesa de Sussex, mas não usarão mais o estilo. Sendo assim, eles serão: O Duque e a Duquesa de Sussex quando citados juntos e individualmente serão Harry, O Duque de Sussex e Meghan, A Duquesa de Sussex. Entende-se que a não utilização do estilo (Sua Alteza Real) será mais apropriada para o modelo de negócios que o Duque e a Duquesa seguirão a partir de agora.
  2. Mesmo com esse passo atrás e com o consentimento da Rainha, os Sussexes continuarão com seus patrocínios e instituições. Assim como continuam seus papeis de Presidente e Vice-presidente da Queen’s Commonwealth Trust, mesmo não representando a Rainha em mais nenhum compromisso oficial.
  3. Neste caminho houve perdas, Harry não é mais Embaixador da Juventude da Commonwealth e não é mais capitão geral dos fuzileiros navais reais, posição que herdou do Duque de Edimburgo. O Duque de Sussex também desistiu de todas as suas colocações militares, que são: Major do regimento The Blues and Royals, Tenente-comandante da Marinha Real e Líder de Esquadrão da Royal Air Force.
  4. Os Sussexes deixam claro que apesar de não possuírem mais o direito de representar a Rainha em compromissos oficiais, todo o trabalho realizado daqui em diante manterá os valores de Sua Majestade, a Rainha.
  5. Harry e Meghan pagarão os 2,4 milhões de libras gastos na reforma da Frogmore Cottage. Eles continuarão usando a casa quando estiveram no Reino Unido, com a autorização da Rainha e com o aluguel pago Duque e a Duquesa.
  6. O casal passará grande parte do tempo na América do Norte, ficando subentendido no Canadá, mas ainda passarão temporadas no Reino Unido, por isso a utilização da Frogmore Cottage.
  7. O Príncipe Charles continuará dando auxílio financeiro para os Sussexes. Os repórteres reais descartam o uso do dinheiro do Ducado de Cornualha (dinheiro público), acreditando que Charles dará esse auxilio financeiro com seus fundos privados e somente até Harry e Meghan se estabilizarem financeiramente.
  8. Mesmo dando esse passo atrás, os Sussexes ainda são parte da Família Real e se juntarão a mesma sempre que a Rainha fizer um convite, assim como acontece com todos os membros da família imediata que não trabalha para a casa real e a Família Real estendida.
  9. Detalhes da segurança não serão revelados pelo Palácio, mas já se entende que parte do dinheiro gasto com a segurança dos Sussexes poderá vir de financiamento público.
  10. Em breve informações sobre se continuarão com o uso do nome Sussex Royal em sua fundação de caridade serão reveladas.
  11. Esse período de transição termina em 20 de março de 2020, no inicio da primavera no Reino Unido.
  12. Até que toda a transição tenha terminado e que toda a agenda já antes acordada se encerre, o Duque e a Duquesa de Sussex permanecem no Reino Unido participando de compromissos oficiais.
  13. Todas essas medidas serão revistas pela Família Real em 2021.

Harry e Meghan tinham o desejo de continuar a representar a Rainha, mas isso é totalmente impossível devido ao passo atrás que eles decidiram dar. O não uso do estilo de Sua Alteza Real dá a eles liberdade nos negócios e a não remoção dá a ideia de que em um futuro eles voltem para apoiar tanto Charles como William em seus reinados.

Há um sentimento conturbado em todos nós em relação às decisões tomadas e particularmente acreditamos que apesar de todos os pontos acertados, a situação poderia ter sido conduzida de outra maneira, tanto do lado dos Sussexes como da Família Real.

Gostaríamos de demostrar publicamente nosso apoio à decisão de Harry e Meghan, além de seguir apoiando o trabalho que eles realizarão daqui para frente. Esperamos que todas as arestas tenham sido aparadas e que toda a Família Real tenha enfim encontrado o melhor meio de se relacionar.

Pegando todos de surpresa, o Duque e a Duquesa de Sussex anunciaram que estão se afastando do cargo de Working Royals, pois desejam alcançar sua independência financeira, mas, contudo seguem apoiando irrestritamente a Rainha, o Príncipe de Gales e o Duque de Cambridge.

Working Royal é aquele membro da realeza que realiza compromissos em nome da Rainha e de seu governo em toda a Commonwealth. Harry deixou o exercito em 2015 e desde então vem trabalhando em nome da Rainha e desde o casamento em maio de 2018, Meghan também era uma working royal.

Em novo site lançado ontem, os Sussexes comunicaram que estão se afastando das funções neste ano:

Após muitos meses de reflexão e discussões internas, optamos por fazer uma transição este ano, começando a desempenhar um novo papel progressivo dentro desta instituição. Pretendemos dar um passo atrás como membros “seniores” da Família Real e trabalhar para nos tornar financeiramente independentes, continuando a apoiar totalmente Sua Majestade a Rainha. É com seu encorajamento, principalmente nos últimos anos, que nos sentimos preparados para fazer esse ajuste. Agora, planejamos equilibrar nosso tempo entre o Reino Unido e a América do Norte, continuando a honrar nosso dever para com a Rainha, a Commonwealth e nossos patrocínios. Esse equilíbrio geográfico nos permitirá apreciar nosso filho com a tradição real em que ele nasceu além de proporcionar à nossa família o espaço para se concentrar no próximo capítulo, incluindo o lançamento de nossa nova entidade beneficente. Esperamos ansiosamente compartilhar todos os detalhes deste emocionante próximo passo no devido tempo, enquanto continuamos a colaborar com Sua Majestade, a Rainha, o Príncipe de Gales, o Duque de Cambridge e todas as partes relevantes. Até lá, aceite nossos mais profundos agradecimentos por seu apoio contínuo.
– Suas Altezas Reais, O Duque e a Duquesa de Sussex.

Navegando pelo site, conseguimos entender os motivos pelos quais eles desistiram do trabalho e ter uma pequena ideia do que irá acontecer daqui pela frente. Desde que saíram da The Royal Foundation, o duque e a duquesa de Sussex vem trabalhando para lançar sua própria entidade de caridade e noticias davam conta que a mesma seria lançada no inicio de 2020, o que foi confirmado pelo casal em seu site oficial:

Em 2020, o Duque e a Duquesa de Sussex planejam moldar sua entidade de caridade para responder a essas necessidades que exigem solução rápida. Depois de considerar cuidadosamente vários modelos de fundação e pesquisar o incrível trabalho de muitas fundações conhecidas e menos conhecidas, o Duque e a Duquesa estão trabalhando ativamente para criar algo diferente – uma entidade de caridade que não apenas ajudará a complementar esses esforços, mas também avançar as soluções que o mundo mais precisa. Eles esperam compartilhar mais com vocês no devido tempo. Suas Altezas Reais apoiam muitas causas principais, tanto em conjunto quanto de forma independente. Eles continuarão a priorizar essas causas, juntamente com os patrocínios separados que fazem parte de seu dever orgulhoso com a monarquia.

Em todo este contexto, fica claro que seus títulos não serão removidos, visto que não é preciso ser um working royal para ter estilo e título da realeza. vários questionamentos foram levantados e tentaremos esclarecer todas as perguntas, segundo as respostas que eles deixaram em seu site oficial.

 

Porque eles decidiram ser financeiramente independentes?

Suas Altezas Reais desejam obter uma renda financeira profissional, que não é possível obter devido à estrutura de trabalho que eles estão condicionados. Harry e Meghan acreditam que este novo modelo de trabalho permitirá que essa autonomia aconteça e que mesmo assim, eles continuarão cumprindo deveres em nome da Rainha Elizabeth II.  O Duque e a Duquesa decidiram que não usarão mais recursos do Sovereign Grant, mesmo que somente 5% de suas despesas sejam pagas pelo Sovereign Grant.

 

De onde vem à renda que paga as despesas do Duque e da Duquesa de Sussex e o que é o Sovereign Grant?

O Sovereign Grant é o mecanismo de financiamento anual da monarquia que cobre o trabalho da Família Real em apoio a Rainha, incluindo despesas para manter residências e espaços de trabalho oficiais. Nessa troca, a Rainha entrega as receitas do Crown Estate e, em troca, uma parte desses fundos públicos é concedida ao Soberano/Rainha para despesas oficiais da Família Real.

Sovereign Grant cobre apenas 5% dos custos do Duque e da Duquesa e a renda é usada a especificamente para as despesas do escritório oficial. E como já sabemos, eles estão oficialmente recusando essa ajuda a partir deste ano. 95% do financiamento recebido pelas despesas do Gabinete vêm da renda alocada pelo Príncipe de Gales, gerado através do Ducado da Cornualha. Charles financia os escritórios de seus filhos, desde antes do casamento de ambos, quando Harry e William passaram a apoiar a Rainha.

Para saber mais sobre o Sovereign Grant clique AQUI.

Para saber mais sobre o Ducado da Cornualha clique AQUI.

Também foi esclarecido mais uma vez como ocorreu a reforma na Frogmore Cottage, residência do Duque e da Duquesa de Sussex. Frogmore Cottage é identificado como Grade 2 no Windsor Home Park foi financiado por Sua Majestade a Rainha através do Sovereign Grant, pois é de responsabilidade do Monarca manter a manutenção dos castelos, palácios e edificios históricos. Segundo o que é escrito no site, os moveis, utensílios e assessórios de decoração da Frogmore Cottage, que é propriedade do monarca, foram pagos com dinheiro particular do Duque e da Duquesa de Sussex.

Eles também sanaram as duvidas do porque se mudaram de Nottingham Cottage, que fica nos terrenos do Palácio de Kensington. Segundo Harry e Meghan, Nottingham Cottage não podia acomodar sua família em crescimento. Foi pensada uma mudança para o Apartamento 1 no Palácio de Kesington, onde uma reforma obrigatória deveria ser feita e ela custaria £4 milhões, e isso incluía a remoção de amianto que havia/ há no Apartamento 1. A reforma ficaria pronta no quarto trimeste de 2020, ou seja, mais de um ano depois do nascimento de Archie. Assim, a Rainha ofereceu o uso da Frogmore Cottage, que naquele momento já passava por reformas obrigatórias e as mesmas se encerrariam antes do nascimento do primeiro filho do casal. A reforma da Frogmore Cottage custou 50% menos do que a reforma do Apartamento I, ou seja, £2 milhões. O casal então escolheu se mudar para Windsor.

Sobre onde será a residência oficial dos Sussexes, ele informam que com a permissão da Rainha, sua residência oficial continua sendo a Frogmore Cottage que é propriedade de Sua Majestade, a Rainha. Como eles pretendem continuar apoiando a Rainha e a monarquia, eles precisam de um lugar para chamar de lar enquanto estiverem no Reino Unido.

 

Como as viagens serão pagas? e os seguranças, eles pagarão?

Como é de conhecimento geral, as viagens privadas do casal são pagas pelos próprios, com suas rendas privadas. Eles informam que sempre utilizarão voos comerciais, trens locais e veículos de baixo consumo de combustível tanto para suas viagens pessoas, como aquelas que serão realizadas a pedido do Escritório de Relações Exteriores e da Commonwealth (FCO), exceto quando usar esses meios trazer risco para a segurança de Suas Altezas Reais.

Sobre as visitas oficiais, eles deixaram bastante claro como essas viagens acontecem. O Escritório de Relações Exteriores e da Commonwealth que “convoca” o royal, além de determinar a duração e a localização da viagem. Essas visitas são pagas pelo Sovereign Grant e quando apropriado, pelo país anfitrião. Entende-se que assim, quando for solicitado que eles façam alguma visita oficial a um país, o Sovereign Grant arcará com os custos, assim como acontece com todos os outros membros da realeza.

Sobre a segurança do casal real e de seu filho, foi dito que:

Nenhuma discriminação dos custos de segurança está disponível, pois a divulgação de tais informações pode comprometer a integridade desses acordos e afetar a segurança das pessoas protegidas. É política estabelecida há muito tempo para não comentar as medidas de proteção e seus custos relacionados para membros da Família Real ou suas residências.

Agora sobre a mídia e sua cobertura, eles foram bem enfáticos quando a como seguirão daqui para frente, quando se desligarem por completo do Sovereign Grant.

A Royal Rota foi criada há quatro décadas e é um sistema onde somente a mídia do Reino Unido tem acesso interno exclusivo aos compromissos oficiais dos membros da Família Real. Dentro desse sistema, os correspondentes reais britânicos tem a oportunidade de cobrir com exclusividade o trabalho da realeza e através deles, a mídia de todo o mundo tem acesso deste mesmo trabalho. Harry e Meghan consideram esse sistema ultrapassado, principalmente por estarmos na era digital. Fazem parte da Rota meios de comunicação com The Sun e The Daily Mail, que estão sendo processados pelo Duque e a Duquesa por diversas alegações.

A nova abordagem dos Sussexes quer envolver em seus compromissos, mídias especializadas nos assuntos abordados, jovens jornalistas promissores, creditar meios de comunicação confiáveis que darão o verdadeiro destaque ao evento e logicamente, manter seus canais de comunicação oficiais sempre atualizados.

Em seu site oficial, o Duque e a Duquesa deixaram claro o quanto se sentem incomodados com o fato dos correspondentes reais do Reino Unidos serem considerados fontes confiáveis tanto em relação ao trabalho, quando a de suas vidas pessoais, o que para eles, impulsiona a cobertura de historias falsas ao redor do mundo. Fica compreendido o quanto eles se sentem afetados pela cobertura fora do comum que suas vidas pessoais tem sofrido.

Harry e Meghan citam meios dos quais confiam como Time Magazine, National Geographic, The Daily Telegraph e British Vogue. eles acreditam que a mídia é livre mas que precisa ser justa e que eles como uma família, prezam por sua privacidade.

Em determinado momento, eles citam a barganha de fotos e informações que é feita com a Royal Rota. Eles falam que é esperado em algumas ocasiões enviem fotos inéditas para o The Rota (que são tabloides do Reino Unido) simultaneamente. Isso permite que esses veículos criem publicações e os coloque como primeira pagina de jornais/site, lucrando em cima de suas imagens, algo que Harry e Meghan não concordam e segundo eles, quando essas fotos não são liberadas, as repercussões na mídia são grandes e duram dias/semanas. O Duque e a Duquesa acreditam e gostam de compartilhar momentos pessoais com o público, mas querem fazer isso diretamente através de mídia social, sem passar pelo Royal Rota antes dos membros do público.

Após a divulgação da nota e de todos terem conhecimento do conteúdo do site, o mundo reagiu a essa repentina noticia. As coisas precisam ser claras. O casal NÃO está se separando da Família Real, eles somente querem adotar outro meio de trabalho. Harry e Meghan NÃO perderão seus títulos. Harry e Archie NÃO sairão da linha de sucessão. Os Sussexes continuarão SIM a participar dos eventos da família e apoiar a monarquia. O Palácio de Buckingham enviou um comunicado sobre o anuncio do Duque e da Duquesa que deixou a situação ainda mais estranha:

As discussões com o Duque e a Duquesa de Sussex estão em um estágio inicial. Entendemos seu desejo de adotar uma abordagem diferente, mas essas são questões complicadas que levarão tempo para serem resolvidas.

Alguns confiáveis correspondentes reais no mesmo instante dizendo que o Palácio sabia sim dos planos, tanto que no dia anterior ao anuncio, foi vazado de dentro do Palacio para o The Sun os planos de Harry e Meghan. Segundo o jornalista Omid Scobie, esses planos do casal vêm sendo discutidos com assessores do Palácio por meses e que não era uma surpresa para nenhum escritório e ninguém da família.  Segundo fontes os Sussexes não queriam que a informação tivesse chegado à imprensa e que quando houve o vazamento para o The Sun eles se sentiram encurralados:

Era um caso de agir agora ou perder o controle de algo em que haviam passado muito tempo trabalhando.

Precisa-se deixar claro que somente pessoas de confiança em todos os escritórios sabiam dos planos do Duque e da Duquesa de Sussex. Segundo um assessor do Palácio, a resposta dramática não condizia com o real entendimento da situação:

Ninguém está ‘incandescente de raiva’ e ninguém vai punir ninguém. A velocidade com a qual isso agora precisa ser tratado não é ideal, mas os planos em si não são um problema. Isso não é uma ‘crise’, é um caso de ajudar o casal a atingir seu objetivo.

O Palácio de Buckingham acredita que todos os lados chegarão em um acordo satisfatório e quem em poucos dias toda a questão será resolvida. Sabe-se que ontem a Rainha, Charles e William orientaram seus funcionários a encontrar soluções viáveis tanto com os funcionários dos Sussex como com os governos e que Harry esteve inserido em todos os passos dados. Acredita-se que hoje Meghan retornou para a cidade de Victoria no Canadá onde deixaram Archie aos cuidados de uma babá e de uma das melhores amigas de Meghan, Jessica Mulroney.

Eles estão se sentindo confiantes. Harry e Meghan estão cientes de que serão criticados, talvez até difamados, por assumir o controle de suas vidas, mas criar um futuro positivo para si e sua família sempre foi sua prioridade.

Mais detalhes serão revelados posteriormente.

Meghan e Harry compareceram a Canada House na tarde de hoje marcado assim, o primeiro compromisso do casal no ano de 2020. Após passarem seis semanas no Canadá com o filho Archie, o Duque e a Duquesa que são presidente e vice-presidente da Queen’s Commonwealth Trust, fizeram uma visita a Canada House para agradecer oficialmente a hospitalidade dos canadenses durante as férias da família.

Antes do inicio da visita foi informado que Meghan e Harry fizeram reuniões no Palácio de Buckingham onde mantem seu escritório e visitaram privadamente a The Hubb, cozinha comunitária apoiada pela Duquesa de Sussex. Foi informado que Meghan quis saber como estão as coisas, já que ficou afastada durante as férias.

Os Sussexes foram recepcionados por Janice Charette que é a Alto Comissária do Canadá no Reino Unido e por sua vice, Sarah Fountain. Do lado de fora da embaixada estava apostos o público e a imprensa. Outros funcionários da embaixada tamém estiveram do lado de fora para recepcionar o Duque e a Duquesa de Sussex.

O casal foi recepcionado já dentro da embaixada na sala da Colúmbia Britânica, nome da mesma província que recebeu os Sussexes nas férias, onde na mesa de lanche havia um bar nanaimo, que é um doce típico da Colúmbia Britânica composto por três camadas: uma base de bolacha, nozes e migalhas de coco; creme no meio; e uma camada de ganache de chocolate por cima. A conversa girou em torno da viagem e de como o casal se sente conectado com o Canadá, que foi à casa de Meghan por sete anos antes de se juntar a Família Real. Para a BAZAAR a Alto Comissária Janice Charette, disse:

Como sempre, foi um prazer dar as boas-vindas ao Duque e Duquesa de Sussex na Canada House, em sua segunda visita em menos de um ano. A visita de hoje proporcionou uma oportunidade para discutir algumas das prioridades e valores comuns compartilhados pelo Canadá e Suas Altezas Reais, como um compromisso com a conservação e o combate aos desafios das mudanças climáticas, apoiando o empoderamento econômico e democrático de mulheres e meninas e incentivando jovens e líderes de jovens no Canadá e em toda a Comunidade para se envolver ativamente nos desafios sociais, econômicos e ambientais de sua geração.

Após a conversa o Duque e a Duquesa se dirigiram a Canada Gallery, dentro da Canada House, para prestigiar a exposição da artista indígena canadense Skawennati, que retrata as mudanças do Canadá através dos olhos da artista. No fim, o casal se encontrou com todos os funcionários da embaixada e agradeceram mais uma vez pela hospitalidade, e Meghan revelou que Archie ficou encantado com toda a natureza que lhe foi mostrada pelos pais. Os Sussexes encerraram a visita cerca de 15 minutos depois do previsto.

1192401901.png1192406340.png1192406048.png1192406071.png

“Não é um momento, mas um movimento”: Edward Enninful sobre a continuação da história da Forças de Mudança da Vogue Britânica.

Um dos meus momentos de orgulho como editor chefe da Vogue Britânica veio com a publicação da edição de Setembro Forces For Change. Sendo a editora convidada a Duquesa de Sussex, a revista foi – pela primeira vez na sua história – inteiramente dedicada a pessoas mudando a sociedade para melhor. Desde as 15 mulheres em nossa capa – incluindo Greta Thunberg, Sinéad Burke, Laverne Cox e Jane Fonda – até nossa capa traseira, a edição celebrou aqueles que estão trabalhando para trazer atenção e mudança de mentes em tópicos envolvendo mudança climática, saúde mental, direitos de gênero, deficiência e muito mais.

A resposta fenomenal que recebemos para o tema de Forças para Mudança e as pessoas que celebramos deixou claro que isso não era simplesmente um momento, mas um movimento. Por essa razão, entrando em uma nova década, queremos continuar essa história. Ao longo do próximo ano, espere ver pessoas realmente inspiradores aparecendo embaixo do banner Forces for Change na revista e nas nossas plataformas digitais. Agora mais do que nunca, é importante manter o foco em pessoas que estão desafiando o status quo e usando suas vozes para ajudar a formar e mudar conversas envolvendo assuntos do nosso tempo.

Para lançar o nosso Forças para Mudança de 2020 tenho prazer em apresentar uma matéria da recém nomeada Bispa de Dover, Rose Hudson-Wilkin, que em seus muitos anos de trabalho em sua igreja, monarquia e parlamento tem sido uma voz de mudança de percepção em todos os três. Ela tem muita sabedoria para impactar e é uma verdadeira força para mudança.

 

Traduzido e adaptado por Meghan Markle Brasil. Direitos reservados a British Vogue.

Primeiramente gostaríamos de agradecer nossas parceiras do Meghanpedia por nos dar a oportunidade de levar ao público brasileiro da Duquesa de Sussex essa excelente entrevista com a caridade St. Feliz Centrer. Confira a tradução abaixo:

No primeiro dia de dezembro de 2019, o Duque e a Duquesa de Sussex em seu Instagram Sussex Royal, como se tornou a norma, destacaram 12 instituições de caridade no espírito dos 12 dias do Natal. Entre as diferentes organizações de caridade havia uma em Toronto, o St. Felix Centre. As notícias devem ter sido uma surpresa agradável para essa organização em particular que logo depois respondeu com um post no Instagram, expressando sua gratidão enquanto acompanhada por uma foto que incluía a Duquesa em seus dias de atuação em Suits. Através deste post, surgiu a duquesa Meghan como apoiadora e voluntária da organização.

Enquanto continuamos a celebrar a contribuição do St. Felix Center para sua sociedade, eu os encontrei para ter uma ideia mais profunda do que eles fazem e, é claro, para descobrir como era a futura Duquesa de Sussex ao se voluntariar regularmente em sua cozinha.

Bem-vindos ao Meghanpedia, St. Felix Center! É realmente uma honra destacar vocês. Para nossos leitores que talvez não saibam do que se trata o seu centro, vocês poderiam se apresentar a eles e dizer o que é feito?

Obrigado por mostrar interesse em aprender mais sobre o St Felix Center, o trabalho que fazemos e o apoio que recebemos da Duquesa de Sussex. O St. Felix Center é uma organização sem fins lucrativos localizada no centro de Toronto; Apoiamos pessoas que sofrem extrema pobreza, falta de moradia, problemas de saúde mental, fome e habitação precária – e também temos uma longa tradição de ser 100% favorável a animais de estimação! O St Felix Center oferece serviço compassivo e um ambiente seguro, acolhedor e respeitoso, incluindo todas as religiões, gêneros, culturas e habilidades. As pessoas sempre podem encontrar mais informações sobre nosso trabalho em nosso site.

Então, já que deram com a língua nos dentes e sabemos que durante o tempo dela em Suits, Meghan se voluntariava regularmente em sua cozinha, estamos curiosos para saber também como foi trabalhar com a futura Duquesa de Sussex?

A Duquesa sempre foi muito humilde durante suas oportunidades de voluntariado conosco. Ela mantinha um perfil discreto o tempo todo e trabalhava tão duro quanto qualquer outro voluntário em nossa cozinha. Sem publicidade, sem câmeras. Ela sabia que era para ajudar as pessoas e compartilhar com elas bondade e compaixão. É por isso que só temos uma foto que a inclui enquanto voluntária no nosso Programa de refeições comunitárias; ela está simplesmente parada ali, ao lado de todos os outros voluntários incríveis.

Parabéns por ter sido destacada como uma das organizações que está se saindo bem este mês na conta do Instagram de Duque e Duquesa de Sussex, Sussex Royal! Como vocês se sentem ao saber que a Duquesa ainda tem uma conexão especial com o seu centro e considera sua causa digna de destaque?

É incrível! Definitivamente, não esperávamos algo assim. O St. Felix Center é um lugar muito especial, e estamos felizes em saber que isso teve um impacto no coração da Duquesa. Todos os nossos voluntários deixam um pedaço deles conosco, e a Duquesa também deixou muitos sorrisos e energia positiva no Centro. É muito emocionante saber que ela também levou um pouco de nós com ela.

Como tem sido a resposta este mês como resultado da mesma?

Oh, tem sido incrível! Após o anúncio, muitas pessoas visitaram nossas plataformas de mídia social e muitas fizeram pequenas doações para apoiar nosso trabalho. O amor que recebemos foi esmagador.

Sabemos que as organizações de caridade não são totalmente desprovidas de desafios. Vocês já tiveram alguns e como conseguiram superá-los? E as suas realizações? Gostaríamos de celebrá-los também.

Infelizmente, Toronto viu um aumento sem precedentes no número de sem-teto. Mais do que nunca, são necessárias moradias, serviços de assistência social e espaços onde as pessoas que vivem em situação de rua podem encontrar um lugar seguro para descansar e receber apoio compassivo. Por causa disso, o St Felix Center viu um aumento enorme no número de pessoas que passam por nossas portas, e precisamos de mais recursos irrestritos para continuar oferecendo os programas de que precisam para permanecer vivos e melhorar sua situação atual. Portanto, o principal desafio que enfrentamos é que precisamos de um número maior de doadores generosos, especialmente doadores mensais, para receber esse financiamento tão necessário.

Sucessos? Muitos! Embora talvez possamos medir o sucesso de uma maneira diferente da maioria das pessoas. Obviamente, temos muitos excelentes exemplos de pessoas que vieram ao Centro enfrentando uma situação muito complexa e as ajudamos a obter moradia permanente e a dar uma forte virada positiva em suas vidas. No entanto, para nós, todos os dias que temos a oportunidade de manter alguém vivo é um sucesso; todos os dias que nos aproximamos de nossos clientes para ganhar sua confiança é um sucesso; todo sorriso que trazemos aos nossos hóspedes quando eles recebem uma refeição calorosa e nutritiva é um sucesso. Porque todas essas oportunidades nos dão mais um dia e mais uma chance de transformar a vida de muitos seres humanos valiosos.

Conte-nos sobre a campanha “Iluminando o Caminho”. Do que se trata e como as pessoas pode apoiar isso?

É a nossa campanha de festas de fim de ano. A iniciativa começou em 1º de novembro e vai até 31 de dezembro. Você e seus leitores que desejam apoiar o trabalho que realizamos e sentem que nossa causa está próxima do coração podem ir ao nosso site e, na opção “se envolver”, fazer uma doação ou tornar-se doador mensal. Os fundos que recebermos durante esta época do ano serão destinados à campanha Iluminando o Caminho; adicionaremos ornamentos iluminados em nossa árvore de Natal virtual até que, com seu apoio, alcancemos nosso objetivo. As pessoas podem verificar a árvore em nosso site. Não há doação muito pequena! Todos os presentes fazem a diferença. Obviamente, as pessoas também podem continuar a apoiar o Centro com suas doações após o evento.

E agora, a mais difícil de todas as perguntas. A Duquesa está sujeita a muita difamação desde que seu relacionamento com o Príncipe Harry veio à tona. Como pessoas que interagiram com ela antes de ela se juntar à Família Real e a conhecem por quem ela é, qual é a sua opinião sobre isso e também a mensagem para ela?

Bem, como dissemos, ela sempre demonstrou um interesse desinteressado em apoiar as pessoas necessitadas, e realmente acreditamos que essa é a personagem dela. É triste quando alguém que está tentando fazer a diferença recebe tais ataques. Estamos felizes em ver que ela agora tem uma plataforma incrível como membro da Família Real para continuar apoiando e advogando por membros vulneráveis de tantas comunidades ao redor do mundo. Gostaríamos de dizer a ela que somos muito gratos por seu apoio e enviar a ela nosso amor. Esperamos que ela nos visite quando vier a Toronto.

Que planos futuros vocês tem para os próximos 2,3 anos?

Continuaremos advogando por moradias de apoio e acessíveis, ajudando as mulheres de nosso lar em transição a recuperar a independência e esperamos começar a pavimentar o caminho e dar os primeiros passos para estarmos mais envolvidos na oferta de soluções permanentes para quem precisa de moradias. Agradecemos sinceramente a todos pela generosidade, compaixão e apoio!

Um grande obrigado ao St. Felix Center por nos dar a oportunidade de apresentá-lo na Meghanpedia. Queremos incentivar nossos leitores a doar para a campanha Iluminando o Caminho em nome dos Sussexes usando a hashtag #sussexdonationxstfelix.

Todos os diretos reservados ao Meghanpedia.

A Duquesa de Sussex se tornou patrona da Association of Commonwealth Universities, a The ACU, em janeiro deste ano após a Rainha passar este patrocínio para a mesma e ao longo do mesmo, ela esteve trabalhando para aumentar a visibilidade da instituição, além de fazer trabalhos nos bastidores. Hoje se comemora o dia mundial do acesso ao Ensino superior e a Sua Alteza Real, a Duquesa de Sussex escreveu palavras incentivadoras sobre o dia:

Hoje, no dia mundial do Ensino Superior, podemos celebrar o papel vital que universidades e faculdades tem na sociedade e quão importante é para todas as pessoas, não importando seu gênero ou sua condição econômica, terem oportunidade de acesso ao ensino superior. O valor disso não pode ser calculado. Educação expande a mentalidade e essas mentes podem então expandir o escopo do mundo. De um nível micro até o macro, é com a educação que vemos grande mudança.

No início do ano eu conheci Simon Kiongo do Kenya que cresceu numa família que vivia na fazenda e trocava vegetais como meio de cobrir os valores de pagamentos escolares. Me cativou como um exemplo perfeito de quantos ao redor do mundo anseiam por educação e fazem o que podem pra poderem ter essa oportunidade. Agora com o apoio da ACU, ele está fazendo uma incrível pesquisa sobre câncer para o seu país, especificamente procurando por fertilizantes na comida e os links cancerígenos que tem na saúde da comunidade. Simon é educação superior em ação.

Os destaques da jornada da ACU de pertencer – vendo como universidades podem apoiar o acesso ao ensino superior para aqueles mais vulneráveis – seja refugiados ou deslocados. Adicionalmente a ACU continua a criar oportunidades para aqueles dentro da estrutura universitária – o corpo docente e os funcionários que precisam de subsídios para maximizar o impacto de seus estudos e permitir que os alunos excedam até suas próprias expectativas do que podem alcançar.

Tenho orgulho de ser patrona da ACU e de tudo o que significa, nós valorizamos esses que procuram o ensino superior e se comprometem a fazer desse mundo um lugar melhor – juntos.

Vale ressaltar que a Association of Commonwealth Universities (ACU) foi criada em 1913 e possui mais de 500 instituições membros em mais de 50 países da Commonwealth. É a mais antiga rede internacional de universidades do mundo e sua missão é promover e apoiar a excelência no ensino superior em benefício de indivíduos e sociedades em toda a comunidade e além dela. Embora seja a rede universitária mais antiga, ela representa o futuro – possui uma população combinada de 3 bilhões, principalmente com menos de 30 anos, nos países da Commonwealth.

Com base na experiência e conhecimento coletivo, a ACU procura abordar questões no ensino superior internacional por meio de uma variedade de projetos, redes e eventos. A ACU administra bolsas de estudos, fornece pesquisa acadêmica e liderança sobre questões do setor e promove a cooperação entre universidades e o compartilhamento de boas práticas, ajudando as universidades a servir suas comunidades.

No último dia 10, a Duquesa de Sussex se juntou a outros membros da Família Real no Cenotaph para as homenagens no Remembrance Sunday.

O Remembrance Sunday é realizado no Reino Unido como um dia “para comemorar a contribuição de militares homens e mulheres, além de civis britânicos e da Commonwealth nas duas guerras mundiais e conflitos posteriores”. É realizado às 11h no segundo domingo de novembro (o domingo mais próximo de 11 de novembro, que é o Dia do Armistício, o aniversário do fim das hostilidades na Primeira Guerra Mundial em 1918).

É marcado por cerimônias em memoriais de guerra locais na maioria das cidades, vilas e aldeias, com a participação de dignitários civis, ex-militares e mulheres (muitos são membros da Legião Britânica Real e outras organizações de veteranos), membros das forças armadas locais regulares e unidades de reserva (Marinha Real e Reserva Naval Real , Royal Marines e Royal Marines Reserve , Exército e Exército Territorial , Força Aérea Real e Força Aérea Auxiliar Real), forças de cadetes militares (Corpo de Bombeiros Marítimos, Corpo de Cadetes do Exército e Corpo de Treinamento Aéreo como o cadete da Força Combinada) e organizações de jovens (por exemplo, Scouts, Brigada dos meninos, das meninas Brigada e Guias ). Guirlandas de papoulas de lembrança são colocadas nos memoriais e dois minutos de silêncio é realizado às 11h. Os sinos das igrejas costumam tocar meio abafado, criando um efeito sombrio. O serviço é realizado por cerca de duas horas.

Este ano Meghan esteve no balcão com a Condessa de Wessex e a Sir Timothy Laurence, marido da Princesa Anne. Ano passado, a Duquesa de esteve ao lado da primeira-dama da Alemanha, Elke Büdenbender, que foi a primeira representante da história a colocar uma coroa de flores durante a celebração.

O relógio bateu as onze horas e os presentes permaneceram em silencio por dois minutos. O silêncio representa a décima primeira hora do décimo primeiro dia do décimo primeiro mês em 1918, quando as armas da Europa silenciaram.  A Duquesa escolheu um casaco preto da marca Stella McCartney da coleção Outono/Inverno 2019. Seu chapéu também preto é de Stephen Jones.

nnn_283329.jpg nnn_283229.jpg nnn_284129.jpg nnn_283629.jpg

nnn_281929.jpg nnn_283129.jpg nnn_283829.jpg nnn_284529.jpg

 

Ao lado do Duque de Sussex e de toda a Família Real, a Duquesa de Sussex participou do Royal Festival of Remembrance no Royal Albert Hall em Londres no último dia 09. O festival marcou o 75 º aniversário das grandes batalhas de 1944 e como em todos os anos, homenageou aqueles que morrerem nas guerras a serviço do Reino Unido.

A realeza foi recebida por Ian McColloch e James Bashall, presidente do Royal Albert Hall e presidente do Royal Legion British respectivamente. Tendo como host o Royal Legion British, a Família Real se uniu no Royal Box para assistir apresentações musicais de civis e militares, que prestaram homenagens a membros das forças armadas que perderam suas vidas em combate.

Seguindo os tradicionais temais anuais, em 2019 foi escolhido como tema Monte Cassino, Kohima e Imphal, Dia D – e a colaboração e amizade dos exércitos britânico, da Commonwealth e dos Aliados que os combateram. Também foram prestadas homenagens ao Quartel-General de Comunicações do Governo que é responsável pela inteligência e serviços secretos que não são reconhecidos publicamente sempre, mas são de suma importância.

Essa marca a segunda aparição da Duquesa de Sussex no Royal Festival of Remembrance e este ano, Meghan optou por um vestido preto da marca Erdem com a cintura marcada e saia rodada. E nos pés, a Duquesa usou mais uma vez seu scarpin Aquazzura azul-marinho.

a_28529.jpg a_28429.jpg b_281329.jpg b_281529.jpg

c_28229.jpg c_28429.jpg c_282029.jpg c_281829.jpg