O domingo, 7 de março trouxe consigo um abalo para o mundo. O Duque e a Duquesa de Sussex foram entrevistados por Oprah Winfrey em um extenso programa de duas horas na emissora CBS. A entrevista foi carregada de sinceridade e revelações bombásticas.

Já no inicio da conversa, Oprah deixou bem claro que nenhuma das repostas foi combinada anteriormente e que Meghan e Harry não receberam nenhuma compensação financeira para ceder aquela entrevista. Apesar de cenas exclusivas terem sido gravadas na casa dos Sussexes em Montecito na California, o cenario do bate papo, também ocorreu na cidade californiana, mas na casa de um amigo do casal.

Como já sabíamos, o inicio da entrevista contou somente com Meghan e Oprah. A Duquesa contou sobre seu primeiro encontro com a Rainha Elizabeth II e que contou com a ajuda de Harry e de Sarah, Duquesa de York para fazer a cortesia de maneira correta para a Rainha. Meghan a todo momento teceu vários elogios a monarca e disse que seu relaciomento com a Rainha sempre foi o melhor possivel.

A Duquesa também conta que a realidade dentro de uma monarquia é totalmente diferente daquilo que pensamos e que ela não foi preparada pela insttuição em nenhum momento. O que se sabe ao longo de decadas é que as pessoas recém chegadas a firma, sempre recebem um treinamento para que tudo continue em seu rito perfeito. Mas com Markle isso não aconteceu. Provavelmente ela não recebeu este apoio pois tudo foi feito para que o casamento não acontecesse.

Falando no casamento real, Meghan revelou que ela e Harry se casaram três dias antes do casamento real mais assistindo de todos os tempos. Ela disse que ela e Harry pediram que o Arcebispo fosse até eles e os desse a benção. Com somente os três no jardim, eles tiveram seu momento de amor intimista.

Vocês podem assistir todo o casamento real legendado clicando AQUI.

Oprah segue a entrevista e toca em um assunto que assombrou a Duquesa por anos: Meghan ter feito Kate chorar. Seis meses após o casamento dos Sussexes, manchetes tomaram conta do Reino Unido, dizendo que Meghan havia feito sua cunhada, Kate Middleton, chorar devido a escolha dos vestidos das daminhas do casamento de MEGHAN. Foi neste momento que Meghan foi feita de vilã e Kate de mocinha. Meghan vilã por fazer escolhas em seu próprio casamento.

Winfrey perguntou a Markle se a história era verdadeira, e ela disse que não e que na verdade, a história foi toalmente o contrário:

Ela estava triste com algo na semana do casamento. Mas ela me mandou flores e a gente se resolveu. Ela (Kate) estava chateada com o vestido das meninas. Ela me fez chorar e machucou meus sentimentos. Não acho que seja justo entrar nos detalhes, porque ela pediu desculpas e eu perdoei.

Não tô compartilhando isso pra desprezarem a Kate, mas porque é preciso que saibam a verdade. Não precisa da polaridade, se você me ama, não precisa a odiar nem vice versa.

Precisamos abrir um parentese neste assunto. Obviamente ninguém é 100% tudo nesta vida. O grande problema apontado pelos fãs dos Sussexes ao longo dos anos é que Kate se beneficiou de toda essa narrativa e que em nenhum momento pudemos ver um aceno negativo dela ou do Palácio de que a história não era verdadeira, pelo contrário. As fontes do Palácio e os amigos proximos da Duquesa de Cambridge, sempre dizeram questão de ensosar a história, de que Meghan fez Kate chorar por discordância em prepataivos de seu proprio casamento.

Meghan disse que mesmo que tenha resolvido todo o assunto com Kate, ela ficou extremamente chateada pelo assunto ter sido vazado para a imprensa, mesmo após ter se passado meses e mesmo com todo seu esforço para preservar Kate. Markle disse que esperou que Middleton quisesse resolver a situação, mas que prefere acreditar que o Palácio a silenciou assim como aconteceu com ela. Para a Duquesa de Sussex, a mídia contribuiu muito para o assassinato de seu caráter, criando uma rivalidade inexistente com a Duquesa de Cambridge.

Em um momento chave da entrevista, Oprah Winfrey pergunta a Meghan se ela ficou em silêncio por conta própria ou foi silenciada e Markle diz que foi silenciada. A Duquesa disse que como ela sempre foi uma mulher independente e com voz, foi extremamente difícil para ela não se defender, mas que confiou que na palavra do Palácio, de que ela seria protegida. Segundo Meghan, seu maior arrependimento foi ter acreditado que eles a defenderiam e que quando ela percebeu que o Palácio defendia outros membros da família, por coisas mínimas, eles negavam defesa a ela e Harry pelas inverdades que eram ditas sobre eles.

Meghan Markle disse inúmeras vezes que os funcionários do Palacio diziam a ela que todos eles passaram por situações difíceis com a mídia, mas que ela acredita que mídia grosseira e mídia racista são coisas totalmente diferentes.

Meghan conta que os últimos 4 anos de sua vida não foram nada como pareceram. Ela disse que não podia sair. Que ela saiu duas vezes de casa, que se sentia solitária. A Duquesa enfrentou uma grande depressão durante sua gravidez. Markle se abriu com sinceridade sobre seus problemas de saúde mental. Ela contou que em dado momento pensou em tirar sua própria vida.

Ela contou com a ajuda de Harry, mas também procurou pela instituição para que ela conseguisse se internar em algum lugar, mas que o pedido foi negado pelo Palácio, mas que eles alegaram que não seria possível, pois seria ruim para a imagem da monarquia.

Então a entrevista focou em Archie, o filho mais velho de Meghan e Harry. Ela conta como foi enfrentar seus problemas de saúde mental e ainda por cima, saber que a monarquia não estava disposta a proteger seu filho.

M: Eles não queriam que o bebê fosse uma princesa/príncipe, disseram que não receberia segurança.
O: Era importante o Archie ser Príncipe?
M: Se isso significa ele ter segurança, com certeza. Mas eu não me importo com nada disso, eu peço pra me chamarem de Meghan. Quando o pai do Harry se tornar rei automaticamente o Archie se tornará príncipe. Não é direito deles (Staff do Palácio) tirar isso do Archie. Eles querem mudar a regra para o Archie, por que?

Meghan em dado momento disse que a instituição se preocupou com o quão escuro seria o tom de pele de Archie e que isso afetaria sim, a conceção de títulos a criança. Markle disse que Harry quem ouviu esse questionamento, que ela pessoalmente nunca foi questionada sobre isso, mas que foi um membro da família quem questionou seu marido sobre.

Markle não quis revelar quem foi extremante racista com um bebê que se quer havia nascido, e disse seria muito desastroso pra instituição dizer quem estava questionando o quão escuro Archie seria. Harry disse que jamais repetiria a pergunta em voz alta e nem revelaria quem fez o questionamento, mas que foi chocante o que ele ouviu.

Perguntada por Oprah se ela tinha medo das represálias do Palácio, Meghan foi enfática ao dizer que não, já que ela havia perdido muito ao decorrer do caminho.

Muito já foi perdido… Eu perdi meu pai, perdi um bebê, quase perdi meu nome. Eu não sei como eles poderiam esperar que depois de todo esse tempo nós permaneceríamos em silêncio, enquanto A Firma espalha falsas alegações contra nós.

O momento de leveza veio quando o assunto gravidez veio à tona. Harry e Meghan super animados anunciaram que estão à espera de uma menina e nascerá no verão do hemisfério norte: junho, julho ou agosto.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Meghan Markle Brasil (@marklecombra)

Logo após a entrevista, o fotografo e amigo de Meghan, Misan Harriman divulgou mais uma foto da família para marcar a revelação do sexo do bebê. Nesta nova foto, Archie se junta aos pais.

Quando o assunto foi a saída do casal dos cargos de realeza sênior, Harry revelou que em nenhum momento surpreendeu a Rainha, que haviam dois anos que ele vinha tentando com a instituição um modelo de trabalho que ele e Meghan conseguissem fugir de todo o assédio da mídia. Foi revelado que eles sugeriram morar em outros países da Commonwealth para continuar representando a Rainha, ao mesmo tempo que teriam uma vida mais sossegada. Os países sugeridos foram Nova Zelândia, Canadá, Austrália, África do Sul… todas as opções foram negadas pelo Palácio. Como já suspeitávamos, Harry revelou que se o casal tivesse obtido suporte e compreensão da instituição, eles não teriam deixado os deveres reais.

A segurança do casal sempre foi uma pauta de discursão em todos mundo e a monarquia retirou a segurança deles quando a família ainda estava no Canadá, sem aviso prévio. Harry foi avisado que os seguranças iam ser removidos e ele não sabia quanto mais a quarentena ia durar. Tyler Perry ofereceu a casa nos EUA e eles se mudaram.

Na questão de segurança, eu nunca achei que a perderia pois eu sempre fui um elemento da família, então foi um choque para mim – Harry sobre a perda da segurança.

A Meghan escreveu pra a Família Real pedindo pra não tirar a segurança do Harry, ela entendia que não tinha a segurança pra ela ou o Archie, mas que ela via as ameaças de morte, as questões raciais, mas não queria que Harry perdesse sua proteção. Harry disse que seu maior medo é ver a história se repetir, onde Meghan seria tão perseguida quanto sua mãe, a princesa Diana.

Harry disse que ainda está chateado com sua família, por eles nunca terem demostrado apoio público a Meghan, principalmente nas questões raciais e que isso seria ainda mais importante para a imagem da monarquia, visto que a Commonwealth é composta majoritariamente por pessoas pretas. A entrevista ainda cita o relacionamento quase inexistente de Harry com seu pai e irmão. Diretamente, Meghan fala com um tom de rancor dessas pessoas e sempre fala “família de Harry”. A Rainha, príncipe Philip, a Duquesa de York e a princesa Eugenie foram as únicas citadas com carinho por Meghan.

A entrevista obtebe seu saldo positivo. Ficou bastante claro para o mundo a importância do debate de saúde mental. O debate do racismo também é importante. Clicando AQUI você assistirá a entrevista completa e legendada. Caso não consiga abrir o player devido ao grande número de acessos, faça uma copia do arquivo em seu drive e faça o download, visto que a entrevista contém mais de 6GB de memória.

Em nosso podcast, Fora da Realeza, demos nossa opinião sincera sobre os assuntos debatidos na entrevista e demais noticias chaves.

Poucos dias antes da entrevista de Meghan e Harry para a Oprah Winfrey ser televisionada pela CBS, vimos o staff do Palácio a todo momento ir até a mídia britânica para fazer comentários anônimos sobre uma entrevista que naquele instante, se quer havia ido ao ar.

Para todos aqueles que estavam esperando, essa jogada de comentar a entrevista e impor narrativas era mais do que esperado. O Palacio por dias estava criando um ar de vingança em cima de uma conversa que ninguém tinha acesso ainda e o mundo não deixou isso passar.

Então no ultimo dia 2, eles jogaram para uma mídia “amiga” sua maior cartada: a Duquesa de Sussex praticou bullying com os funcionários do Palácio. Uma denuncia foi feita para o The Times UK, acusando Meghan de intimidar funcionários, os deixando tensos por ter que trabalhar com ela. Além das acusações de ser uma bully, uma história sobre um par de brincos da coroa usados por Meghan ligada as suas convicções sobre os direitos das mulheres também foram jogadas para a mídia, com o objetivo de mais uma vez descredibilizar tudo aquilo que Meghan poderia dizer.

Sobre a história dos brincos, durante a turnê de 2018 pela Oceania, a Duquesa usou um par de brincos de diamantes que são presentes do príncipe saudita Mohammed bin Salman, que é o principal suspeito de mandar assassinar o jornalista Jamal Khashoggi, do The Washington Post. O príncipe deu de presente estes brincos para a FAMILIA REAL e não para Meghan. Coincidentemente, toda essa história sobre Meghan usar brincos de um assassino veio a tona pouquíssimos dias antes dela poder contar sua própria história. Para que todos tenham conhecimento, a Monarquia como instituição, recebe muitos presentes e joias estão inclusas nos tipos de presentes recebidos. Os membros da Família podem sim pegar essas joias de presentes. Contudo, ao fazer um pedido de empréstimo, é feito pela instituição uma seleção de joias que eles querem emprestar para aquela pessoa e nesta mini seleção, quem fez o pedido pega a joia. Meghan não é dona dos brincos e como na época sua equipe de comunicação mesmo disse, ela usou brincos emprestados. O Palácio selecionou aqueles brincos para Meghan. Os brincos nunca foram propriedade da Duquesa de Sussex.

O que precisamos compreender é que: por qual motivo, um empréstimo de uma joia a mais de dois anos atras veio à tona? Principalmente se levarmos em conta que a coroa britânica saqueou todas as riquezas de países africanos e asiáticos e que grande parte das joias da monarquia e da Rainha são joias roubadas desses países explorados? Porque Meghan Markle é conivente de um assassino por usar joias da coroa britânica ao mesmo tempo que a coroa britânica fica ilesa a tudo isso?

Voltando ao tópico Meghan bully, o The Tomes revelou que Jason Knauf, que até então trabalhava para os Sussex e Cambridge, enviou um e-mail para o secretário particular do Duque de Cambridge, Simon Case, relatando que Meghan estava mimando a confiança da equipe e que já teria sido capaz de intimidar com bullying, dois assistentes pessoais. Segundo Knauf, Meghan tinha claramente a intenção de sempre ter alguém em sua mira. A reportagem segue dizendo que quando os funcionários que foram citados por Jason souberam que ele havia feito essa queixa contra Meghan, todos pediram que o assunto fosse encerrado.

Precisamos ter me mente que em nenhum momento foi dito no artigo quais eram o modus operandi do bullying praticado pela Meghan. Foi um compilado de acusações já feitas ao longo dos anos e que mais uma vez, não apresenta nenhuma prova concreta. Enviar e-mails de madrugada é forma de intimidar? E-mails são enviados a todo momento e não se espera que eles sejam respondidos imediatamente. Não atender uma ligação é motivo para que um funcionário chore de medo? Medo de que?

Um artigo da Haper’s Bazaar dá um novo panorama sobre a saída da assistente pessoal Melissa Toubati, que deixou a equipe de Harry e Meghan devido à má conduta profissional.

Uma dessas funcionárias, a assistente pessoal Melissa Toubati, deixou o Palácio de Kensington em outubro de 2018 depois de ter sido “levada às lágrimas”, segundo relatos de tablóides britânicos da época. Um assessor anonimamente defendeu a saída abrupta, dando rapidamente um relato brilhante de sua gestão ao Daily Mail. No entanto, foi posteriormente alegado em documentos judiciais durante o caso de privacidade de Meghan contra o The Mail on Sunday que Toubati tinha, de fato, sido demitida de seu papel por má conduta. Na biografia de Sussex, Finding Freedom, as fontes revelaram que foi a amizade de longa data de Knauf com Toubati que levou os Sussex a acreditar que certos funcionários, incluindo seu próprio secretário de imprensa, estavam “mais interessados ​​em proteger um dos seus do que [Meghan].

Não é nenhuma novidade para aqueles que acompanham os Sussexes ao longo dos anos o quão eles foram vitimas de vazamentos, seja de trabalhos ou de suas vidas pessoais e não existe a mínima possibilidade dos vazamentos não ter vindo daqueles que trabalhavam com eles no Palácio.

O mais engraçado é que o Palácio de Buckingham respondeu publicamente as acusações feitas contra Meghan. Foi divulgado um comunicado onde o Palácio disse que convocaria os funcionários envolvidos nas acusações para uma conversa. Será mais uma vez uma visão unilateral, onde somente um lado dará sua versão.

Declaração do Palácio de Buckingham

Estamos claramente muito preocupados com as alegações no The Times após alegações feitas por ex-funcionários do Duque e da Duquesa de Sussex.

Consequentemente, nossa equipe de RH analisará as circunstâncias descritas no artigo. Os membros da equipe envolvidos no momento, incluindo aqueles que deixaram a Família, serão convidados a participar para ver se quais lições podem ser aprendidas.

A Royal Household tem uma política de Dignidade no Trabalho em vigor há vários anos e não tolera e não tolera intimidação ou assédio no local de trabalho.

Até o exato momento, não tivemos nenhuma atualização desta “investigação”. Obviamente, Meghan não se calaria diante a essas acusações e através de seus advogados, ela rebateu as mesmas, pontuando que o The Times de estava sendo usado pelo palácio de Buckingham para espalhar uma narrativa totalmente falsa antes da entrevista.

Vamos apenas chamar isso do que é – uma campanha de difamação calculada com base em desinformação enganosa e prejudicial. Ficamos desapontados ao ver este retrato difamatório da Duquesa de Sussex receber credibilidade por um meio de comunicação. Não é coincidência que acusações distorcidas de vários anos com o objetivo de minar a Duquesa estejam sendo informadas à mídia britânica pouco antes de ela e o Duque falarem abertamente e honestamente sobre sua experiência nos últimos anos.

A Duquesa está triste com este último ataque à sua personagem, particularmente como alguém que tem sido alvo de bullying e está profundamente comprometida em apoiar aqueles que sofreram dor e trauma. Ela está determinada a continuar seu trabalho construindo compaixão em todo o mundo e continuará se esforçando para dar o exemplo para fazer o que é certo e fazer o que é bom.

O que o Palácio não esperava era a onda a favor de Meghan que se espalharia pelo mundo. Seus amigos, colegas e pessoas que sequer a conhecem, não compraram a Meghan bully vendida pelo Palácio.

Uma das amigas mais antigas de Meghan, Lindsay Roth saiu em defesa de Markle.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Lindsay Roth (@lindsayjillroth)

O Modus Operandi de Meg sempre foi gentileza; a boa vontade corre em seus ossos. Sei que isso é verdade após são 22 anos de amizade muito próxima. Eu vi em primeira mão como ela trata seus amigos, suas famílias e seus colegas.

Se ela estiver dirigindo com você no banco do passageiro, ela lançará o braço direito na sua frente ao menor solavanco em um gesto de amor para garantir a sua segurança. Se você tem um objetivo específico, ela o ajudará a alcançá-lo e suas paixões se tornarão as dela em seu nome. Se você tiver o prazer de conhecer Meg – e espero que muitos de vocês tenham – você verá a amiga altruísta e magnânima que tenho a sorte de ter a meu lado.

Ela é engraçada. Tipo, rir alto e engraçada. E inteligente. Ela é mais do que apenas uma história de capa.

Ela era essa mulher quando éramos estudantes juntos na Northwestern University; ela era uma mulher em Los Angeles quando seus dias foram gastos em testes; ela era uma mulher morando em Toronto como Rachel Zane em Suits; ela era essa mulher antes que você soubesse que ela estava namorando Harry; ela era essa mulher depois que você soube que estava namorando Harry; ela era essa mulher quando se tornou duquesa de Sussex e ainda é – sem dúvida – essa mesma mulher hoje.

Daniel Martin, amigo de longa data e maquiador,também saiu em defesa da Duquesa.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Daniel Martin (@danielmartin)

Porque ela não é egocêntrica,
as pessoas podem ver a luz nela.
Porque ela não se vangloria, ela se torna um exemplo brilhante.
Porque ela não se glorifica, ela se torna uma pessoa de mérito.
Porque ela não quer nada do mundo,
o mundo não pode vencê-la. – Tao Te Ching

A diretora de TV e amiga de Meghan, Silver Tree também deu seu depoimento.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Meghan Markle Brasil (@marklecombra)

O amigo e colega de trabalho de Meghan, Patrick J Adams, saiu em defesa ao carater de Meghan e acusou a Familia Real de estar atras de toda a campanha de difamação atraves de uma série de tweets.

Meghan Markle e eu passamos a maior parte de uma década trabalhando juntos em Suits. Desde o primeiro dia ela foi um membro entusiasta, gentil, cooperativa, generosa, alegre e solidária de nossa família televisiva. Ela permaneceu essa pessoa e colega conforme a fama, prestígio e poder foram acumulados.

Ela sempre foi uma mulher poderosa com um profundo senso de moralidade e uma ética de trabalho feroz e nunca teve medo de falar, ser ouvida e defender a si mesma e aos seus entes queridos. Como o resto do mundo, eu a observei navegar nos últimos anos com espanto.

Ela se apaixonou, mudou para um novo país, tornou-se um nome familiar em todo o mundo e começou o difícil trabalho de tentar encontrar seu lugar em uma dinâmica familiar que pode, na melhor das hipóteses, ser descrita como complicada e, na pior, aparentemente arcaica e tóxica.

Fiquei enojado ao ler o infindável vitríolo racista, calunioso e clickbaiting cuspido em sua direção por todos os meios de comunicação do Reino Unido e do mundo, mas também sabia que Meghan era mais forte do que as pessoas percebiam ou entendiam e eles se arrependeriam de subestimá-la.

E então eles deram as boas-vindas a Archie. E em qualquer tipo de planeta decente, esse seria o momento de parar de afiar as facas e deixar essas duas pessoas aproveitarem os primeiros meses e anos mágicos de começar uma família. Mas não vivemos naquele planeta e, em vez disso, a caça continuou.

É OBSCENO que a Família Real, que é o mais novo membro atualmente CRESCENDO DENTRO DELA, está promovendo e ampliando acusações de “bullying” contra uma mulher que foi basicamente forçada a fugir do Reino Unido para proteger sua família e sua própria saúde mental.

Na minha opinião, este capítulo mais recente e seu momento são apenas mais um exemplo impressionante da vergonha de uma instituição que sobreviveu à sua relevância, está muito abatida em credibilidade e aparentemente falida em decência.

Encontre outra pessoa para advertir, repreender e atormentar. Minha amiga Meghan está fora do seu alcance.

Outros amigos como Abigail Spencer, Jessica Mulroney, Heather Dorak e Misha Nonoo também escreveram em suas redes sociais mensagens de apoio a Markle. A Meghan que conhecemos é a Meghan descrita por seus amigos. A Meghan que lutou com dignidade para conquistar cada espaço. A Meghan que sempre foi gentil com todos a sua volta. Essa mentira que o Palácio tentou empurrar mundo a fora só prova que eles não aprenderam em nada com o que aconteceu com a princesa Diana. Eles sempre deixam a inveja tomar conta de tudo, só que desta vez, ninguém se calará ou esperará outra morte acontecer para ver a realidade por trás dos portões do palácio.