Quando você tem raiva, precisa canalizar essa energia para algo que faça a diferença. Ativismo é isso. É sobre como nos posicionamos.

Em 26 de junho – dois dias depois que a Suprema Corte anulou Roe v. Wade – Jessica Yellin, a premiada jornalista e fundadora da empresa de mídia independente News Not Noise, ligou para as duas pessoas que ela sabia que poderiam colocar esse evento sísmico em perspectiva. A primeira? Glória Steinem. A segunda? Meghan Markle, a Duquesa de Sussex.

Steinem, o rosto do feminismo americano, e Markle, uma defensora vocal de licença remunerada e direitos trabalhistas justos para as mulheres, são amigas desde 2020. Depois que Markle soube que ambas estavam em Montecito, ela perguntou se Steinem queria ajudar ela a fazer ligações agradecendo aos organizadores de campanhas para fazer as pessoas votarem. Steinem concordou.

Essa conexão logo se transformou em uma aliança e, nos últimos meses, Steinem e Markle formularam um plano para ratificar a Emenda de Direitos Iguais. (“Isso estenderia explicitamente às mulheres os direitos concedidos na Constituição aos homens”, Yellin diz à Vogue. “A ERA mudaria o campo de jogo para os direitos reprodutivos das mulheres, direitos das mulheres no local de trabalho e muito mais com sua promulgação, e agora Meghan está se juntando”.)

Meghan Markle, ao telefone com Gloria Steinem e Jessica Yellin após a decisão da Suprema Corte na seana passada. Foto cortesia Archewell.

Então, quando a decisão da Suprema Corte foi tomada, Yellin decidiu moderar uma conversa entre duas defensoras sobre suas próprias escolhas reprodutivas, as realidades da América pré e pós-Roe e, mais importante, para onde o país vai a partir daqui. “Entrei nesta conversa me sentindo desorientado pela nova realidade – ansioso por não haver um caminho claro a seguir. Os opositores do aborto construíram tanta infraestrutura ao longo de tantos anos. Como isso pode ser respondido rapidamente e quantas vidas serão destruídas nesse meio tempo?” diz Yellin. “Por enquanto, algumas mulheres não terão cuidados médicos básicos que salvam vidas por causa de uma luta pelo poder em um sistema político disfuncional. Mas depois dessa conversa, lembrei que a mudança começa com ações simples – e contratempos mortais às vezes precedem a mudança.

Abaixo a conversa que foi condensada e editada e outros comentários editoriais foram feitos por Thalia Halloran.

Jessica Yellin: Eu ouço de tantas pessoas – elas estão sentindo pânico, confusão. Estão procurando orientação sobre o que fazer agora. Vamos falar sobre o impacto imediato desta decisão. Mulheres em 13 estados estão vendo seus direitos reprodutivos desaparecerem. E em outros 13 eles provavelmente serão severamente restringidos. Dezenas de milhões de mulheres terão que fazer escolhas brutais, e sabemos que algumas morrerão. Para as pessoas que nasceram depois de 1973 e não têm ideia de como era isso, você poderia nos contar um pouco sobre a realidade de ser uma mulher grávida antes de Roe?

Gloria Steinem: Havia redes clandestinas, a mais famosa Jane. Era aí que você ligava para um número específico e perguntava por Jane e isso significava que você precisava de um aborto. E mulheres te guiavam corajosamente. Na minha situação, eu estava em Londres, não neste país, quando precisei de um aborto e tive a sorte de encontrar um médico no equivalente das Listas Telefônicas que disse que se eu lhe prometesse duas coisas – uma que eu nunca contaria a ninguém o nome dele e dois, que eu faria o que quisesse da minha vida — ele me mandaria para uma médica que faria o aborto. Dediquei um livro a ele. Ele não está mais conosco. Então eu pensei que estava tudo bem, finalmente, depois de todos esses anos, contar isso.

Meghan Markle: Isso me deu arrepios, Gloria. E você estava nas mãos de alguém que entendia que era sua escolha criar a vida que você queria para si mesma. Isso é tão poderoso.

G.S.: Sim. E eu mantive minha promessa. Sem ele, eu teria parado ali. Eu trabalhava como garçonete em Londres esperando meu visto para a Índia, onde tinha uma bolsa de estudos. Eu não seria capaz de fazer isso. Minha vida teria parado ali.

Meghan, para as mulheres que vivem nos estados onde as leis de gatilho já entraram em vigor, elas aprenderão rapidamente como era a vida antes de Roe.

MM: Isso está tendo um impacto muito real no corpo e na vida das mulheres a partir de agora. As mulheres já estão compartilhando histórias de como sua segurança física está sendo colocada em perigo. Mulheres com recursos viajarão para fazer um aborto, as que não têm podem tentar fazer um aborto em um risco tremendo. Algumas terão que comprar pílulas abortivas em farmácias não regulamentadas. Outras que estão grávidas e se encontram em uma emergência médica estarão à mercê de médicos e advogados para determinar se um procedimento necessário para salvar sua vida pode ser feito. O que isso diz às mulheres? Isso nos diz que nossa segurança física não importa e, como resultado, não importamos. Mas nós importamos. Mulheres importam. E esta é uma das razões pelas quais liguei para Gloria imediatamente. Porque em tudo isso, ela me lembra que quando você tem raiva, você tem que canalizar essa energia em algo que faz a diferença. Ativismo é isso. É sobre como nos posicionamos.

GS: Meghan, devo essa amizade a você porque eu não sabia que na Califórnia, onde eu estava abrigado no rancho de um amigo, éramos vizinhas – ou pelo menos o que é chamado de vizinhas na Califórnia, o que significa que você, o que, mora a meia hora de distância. [Risos.] Foi você que percebeu isso e veio para a fazenda onde eu estava. Então nos sentamos à mesa da sala de jantar e fizemos ligações juntas.

MM: Fiquei animada. Eu estava nervosa também. Eu pensei, meu Deus, como vou ficar na frente de Gloria Steinem? A eleição [presidencial] estava chegando e nós duas sabíamos o valor das mulheres e de todos que saíam para votar. O efeito cascata das eleições é muito importante, e é isso que estamos vendo agora, infelizmente.

GS: Uma grande parte do problema, claro, é que temos uma Suprema Corte que não representa o país. Talvez por estar aqui há mais tempo, o que significa que já estive aqui antes, digo que vamos fazer o que precisamos e queremos fazer. Uma em cada três mulheres americanas fez um aborto quando era ilegal. A necessidade e o direito de governar o próprio corpo continuam. Precisamos traduzi-lo em uma realidade política.

Muitos dos estados que proíbem o aborto, Meghan, também são aqueles com as maiores taxas de mortalidade materna e infantil, especialmente para mulheres negras. Nos EUA, as mulheres negras são quase três vezes mais propensas do que as mulheres brancas a morrer na gravidez ou no parto, e bebês negros têm duas vezes a taxa de mortalidade de bebês brancos. Quão preocupada você está que esta decisão tenha um impacto desproporcional sobre essas mulheres? E o que especificamente a preocupa?

MM: Esses problemas são sistêmicos, interconectados e evitáveis. As mulheres de cor e especialmente as mulheres negras são as mais impactadas por essas decisões porque a maioria de nós não tem o mesmo acesso à saúde, oportunidades econômicas, recursos de saúde mental… a lista continua. É difícil exagerar o que essa decisão fará com essas comunidades.

GS: Quando entrei nessa luta pela liberdade reprodutiva como um direito humano fundamental, foi na década de 1970. Ruth Ginsburg estava com a ACLU e ela me enviou ao Alabama para conversar com uma mulher negra que havia sido esterilizada sem seu conhecimento ou permissão quando ela foi ao hospital para algo completamente diferente. Então, você sabe, essa foi uma luta com algumas legislaturas estaduais para impedi-las de permitir a esterilização de mulheres que estavam em apoio público.

Gloria, a deputada Mary Miller, de Illinois, esteve em um comício de Trump neste fim de semana e agradeceu ao presidente Trump “a vitória histórica da vida branca na Suprema Corte”. Seu escritório insiste que ela falou errado e quis dizer “direito à vida”, não vida branca, mas sua linguagem acompanha uma linha de pensamento no movimento antiaborto que é sobre raça e demografia. Você nos daria um pouco mais de contexto e história sobre isso?

GS: Há uma parte deste país que está bem ciente de que a primeira geração de bebês que são majoritariamente bebês de cor já nasceu. E isso significa que o país poderia e se tornaria um país onde as pessoas de cor são a maioria. Então seremos mais parecidos com o resto do mundo. Mas se você é um racista branco, é obviamente assustador. Assim, as mesmas forças que eram a favor da esterilização forçada de mulheres de cor no bem-estar são agora frequentemente contra o aborto.

Em sua opinião concordante, o juiz Clarence Thomas disse que o tribunal deveria “corrigir o erro” de permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo, relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo e até a métodos contraceptivos. Analistas jurídicos em quem confio argumentam que o casamento entre pessoas do mesmo sexo está em maior risco neste tribunal. James Obergefell, que abriu o caso que legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, alertou que está em perigo. Meghan, o quanto você está preocupada não apenas com as mulheres, mas com outros grupos que lutaram para conquistar direitos nos EUA? Você acha que este é um momento de alerta?

MM: Absolutamente. Vimos isso em termos claros com a opinião concordante do juiz Thomas. Este é um modelo para reversão de direitos. A decisão é um sinal sobre o futuro do casamento entre pessoas do mesmo sexo, acesso à contracepção e muitos direitos fundamentais à privacidade. Parece a ponta do iceberg e é parte do motivo pelo qual as pessoas se sentem tão assustadas. Temos que canalizar esse medo em ação. Podemos começar em novembro (outubro aqui no Brasil!) no meio do mandato. Eu sei que ouvir isso parece tão repetitivo, mas temos que votar, todas as vezes, das eleições locais às eleições estaduais e nacionais.

Nota da editora: “Vale a pena lembrar que os oponentes do aborto não conquistaram essa vitória da noite para o dia”, acrescenta Yellin. “Eles formaram o Comitê Nacional do Direito à Vida em 1967, antes de Roe, mas logo após o caso Griswold, que legalizou os contraceptivos para casais. A Sociedade Federalista, que deu peso intelectual legal ao movimento, foi fundada em 1982. Esses grupos e outros trabalharam por décadas para eleger políticos que encheriam os tribunais com juízes antiaborto.”

Então, vamos falar sobre o que pode ser feito. As pessoas perguntam onde podem fazer a diferença. A luta agora está no nível estadual, trabalhando por novas leis e trazendo desafios às restrições existentes? É conseguir o voto nacionalmente e eleger candidatos pró-escolha? Onde você diria às pessoas para focar sua atenção?

GS: Depende de onde a pessoa está. Se eles estão vivendo em um estado antiescolha ou com um estado que tem uma legislatura majoritária antiescolha, então trabalhar politicamente é muito importante. Se eles estão em um estado pró-escolha onde as clínicas estão sendo piqueteadas ou não são apoiadas, é importante proteger e apoiar essas clínicas. Mas onde quer que estejamos, podemos deixar claro que a liberdade reprodutiva é um direito fundamental como a liberdade de expressão.

MM: É uma conversa muito maior sobre por que há anos, há décadas, estamos lutando para que uma emenda constitucional seja aprovada [a Emenda de Direitos Iguais] que deixe claro que as mulheres podem ser tratadas igualmente, e como é completamente absurdo que isso é algo pelo qual ainda estamos lutando. E Gloria, você sabe, nós conversamos sobre como continuar levando isso adiante. Acho que agora é provavelmente a hora mais do que nunca.

GS: Somos a única democracia do mundo que não inclui as mulheres em sua constituição. Acho que devemos colocar grandes outdoors em todos os aeroportos onde as pessoas chegam de outros países dizendo: “Bem-vindo à única democracia do mundo que não inclui mulheres”. Talvez isso envergonhasse as pessoas para entrar em ação. Todos os estados necessários ratificaram [a ERA], e só precisa de aceitação no Congresso. Então, se o presidente faz disso uma prioridade, isso poderia acontecer. Significa que estaríamos na mesma posição de inclusão que qualquer outra democracia no mundo.

Nota da editora: O ERA (Emenda dos Direitos Iguais) assim como os votos – o que falta agora é a assinatura do arquivista dos Estados Unidos, que chefia a Administração Nacional de Arquivos e Registros. Enquanto os proponentes estão pedindo aos democratas eleitos que se envolvam, os oponentes insistem que o prazo para aprovar o ERA expirou.

Meghan, esse é um problema que você quer se envolver?

MM: Sem dúvida. Estar em casa, ver o que está acontecendo em nosso país e me sentir energizada e motivada, se esse é o tipo de legislação que precisamos aprovar, então este é um momento para o qual absolutamente vou trabalhar. Não apenas porque é o que precisamos como mulheres, mas é o que precisamos como pessoas.

GS: O ERA foi ratificado pelo número necessário de estados e devemos pressionar a Casa Branca e o Congresso para promulgar.

MM: Bem, Gloria, parece que você e eu faremos uma viagem para D.C. juntas em breve.

Há muito estigma em torno de tudo isso. Acho importante normalizar as conversas sobre aborto e saúde da mulher. O que esses tópicos mostram para você?

MM: Eu penso em como me senti sortuda por poder ter meus dois filhos. Eu sei como é ter uma conexão com quem está crescendo dentro do seu corpo. O que acontece com nossos corpos é tão profundamente pessoal, que também pode levar ao silêncio e ao estigma, embora muitos de nós lidem com crises de saúde pessoais. Eu sei como é o aborto espontâneo, sobre o qual falei publicamente. Quanto mais normalizarmos a conversa sobre as coisas que afetam nossas vidas e corpos, mais as pessoas entenderão como é necessário ter proteções em vigor.

Trata-se da segurança física das mulheres. É também sobre justiça econômica, autonomia individual e quem somos como sociedade. Ninguém deve ser forçado a tomar uma decisão que não queira, ou seja inseguro, ou coloque sua própria vida em risco. Francamente, seja uma mulher sendo colocada em uma situação impensável, uma mulher que não está pronta para começar uma família ou mesmo um casal que merece planejar sua família da maneira que faça mais sentido para eles, trata-se de ter uma escolha. É interessante que aqui você esteja falando com duas mulheres: uma que escolheu dar à luz feliz e outra que escolheu não dar à luz feliz. E nós duas estamos prosperando porque fomos capazes de fazer nossas próprias escolhas. Incrível.

GS: Isso é tão antigo quanto os seres humanos. Lembro de algumas décadas atrás, sentada com mulheres no deserto de Kalahari, enquanto elas me mostravam uma planta que usavam para aumentar a fertilidade e outra que usavam como abortivo. Esta não é uma consideração nova, e em nossas culturas nativas americanas também foi entendida.

Vale a pena dizer que isso não deve ser um assunto apenas para as mulheres. Nunca há aborto sem esperma. O que você diria aos homens que apoiam os direitos reprodutivos?

MM: Os homens precisam ser vocais neste momento e além, porque essas são decisões que afetam relacionamentos, famílias e comunidades em geral. Eles podem ter como alvo as mulheres, mas as consequências afetam a todos nós. Meu marido e eu conversamos muito sobre isso nos últimos dias. Ele também é feminista.

GS: Sim, posso testemunhar isso já que o conheci antes de conhecer você. Ele estava em uma grande reunião que eu participei e ele estava defendendo os direitos das pessoas.

MM: E a reação dele na semana passada foi gutural, como a minha. Eu sei que para muitas mulheres agora, há um sentimento de desespero. Mas, novamente, temos que nos unir e não acovardar. Temos que fazer o trabalho.

GS: Além disso, você e eu estamos em estados onde há liberdade reprodutiva – Nova York e Califórnia. Portanto, é uma questão de estado para estado e, infelizmente, a Suprema Corte permitiu que continuasse sendo uma questão de estado para estado.

Gloria, que tipo de impacto tem quando pessoas como Meghan e Harry que tem espaço de fala dessa questão, falando abertamente sobre aborto e direitos iguais e acesso reprodutivo – um homem e uma mulher felizes com uma enorme plataforma pública?

GS: É muito, muito, muito importante. Porque o que ambos têm é confiança. Confiamos neles e nada, mas nada substitui a confiança. É a qualidade ou atributo mais importante. Podemos ver coisas na televisão e não acreditar nelas ou não confiar nelas. Mas quando pessoas como esses dois nos dizem, então confiamos.

MM: Obrigada. Isso é muito gentil

Gloria, estou ouvindo essa conversa e me pergunto, você está passando o bastão para outra geração e uma nova voz para ajudar a levar adiante o trabalho que você fez?

GS: Bem, você sabe, é verdade, embora eu pretenda viver até os 100.

Esperamos que você viva!

MM: Você vai. Meu Deus, Gloria, espero que seja mais que 100. E você ainda estará usando essas calças de couro incríveis.

GS: Eu tenho que reconhecer minha própria idade, mas não estou passando o bastão. Estou mantendo o bastão, mas entendendo que cada um de nós tem um bastão; não há apenas um.

Meghan, o que você acha que esse momento exige?

MM: Este momento requer unidade – realmente ouvir as pessoas, entender que a Constituição foi escrita em uma época em que as mulheres eram cidadãs de segunda classe. Não somos. Certas coisas precisam mudar. Acho que é igualmente honrar as pessoas que fazem o trabalho muito antes de nós, como Gloria. Sou grata por estar segurando um bastão bem ali ao lado dela e por continuarmos fazendo esse trabalho juntas.

GS: Sim, somos uma família escolhida. Me sinto igualmente grata a Meghan por ser o presente, o futuro – por assumir riscos de críticas ao defender o que ela acredita e o que a maioria precisa.

MM: Eu sempre olho para as coisas com uma corrente de esperança. Se você é alguém que realmente acredita que pode haver algo melhor, se você é alguém que vê injustiça, você tem uma escolha: você pode sentar lá e ser complacente e assistir, ou você pode dizer: “O que posso fazer para nos levar para o outro lado disso?” Essa é outra razão pela qual liguei para Gloria, porque sabia o que estava procurando. O que nós fazemos? Como fazemos isso? Como apoiamos uns aos outros? Como obtemos as mudanças necessárias em toda a estrutura? O que precisamos, neste momento, é começar com esperança.

GS: Acho que precisamos lembrar que a esperança é uma forma de planejamento. [Risos.] Se você não está esperançosa, você desistiu.

 

Traduzido e adaptado: Equipe MMBR.

Matéria original: Vogue Magazine. 

No sábado, a filha do Duque e da Duquesa de Sussex, Lilibet Diana Mountbatten-Windsor, completou um ano – e a família lançou uma nova foto para comemorar. Tirada por Misan Harriman, a foto mostra Lilibet sorrindo na casa dos Sussex, Frogmore Cottage, durante sua festa de aniversário. Ela usava um vestido azul e um laço sobre sua cabeça cheia de cabelos ruivos.

Familiares e amigos próximos participaram do piquenique íntimo e casual no quintal de Lilibet em Windsor, que incluiu um bolo de Claire Ptak da Violet Bakery de East London. (Ptak também fez o bolo de casamento do príncipe Harry e Meghan Markle para suas núpcias de 2018). Diz-se que os convidados incluíram Zara e Mike Tindall, bem como seus filhos pequenos.

Os Sussexes estavam na cidade para celebrar o Jubileu de Platina da Rainha, que se estendeu por quatro dias em todo o Reino Unido. O príncipe Harry e Meghan Markle foram vistos assistindo Trooping the Colour do escritório do major-general na quinta-feira. Na sexta-feira, eles participaram do Culto de Ação de Graças na Catedral de São Paulo, onde Markle vestiu Dior.

Via: Vogue Magazine.

O Duque e a Duquesa de Sussex estiveram na cerimónia de abertura do Invictus Games em 16 de abril. Os planos amplos da multidão são particularmente comoventes. Não tivemos um Invictus Games desde 2019, e muita coisa aconteceu desde então, incluindo uma pandemia global. Mais de seis milhões de pessoas morreram de Covid desde os últimos jogos. Esses veteranos lutaram por seus países e depois lutaram para chegar a Haia, para celebrar sua comunidade guerreira ferida. É tão emocionante.

O príncipe Harry usava um terno cinza sem gravata. O body de Meghan foi identificado como uma peça de Khaite, mas não sei a identificação das calças. A calça é BOA. Essas calças são talvez a minha coisa favorita que ela usou na Holanda. O colar é Cartier, e os sapatos são provavelmente Manolos.

Quanto aos discursos… Meghan apresentou Harry e quase chorou falando sobre seu serviço e seu trabalho para fazer os jogos acontecerem. Harry também estava super emotivo. Tudo isso tem sido uma montanha-russa de emoções.

Artigo original de Celebitchy.

a_28529.png a_28629.png b_28329.png b_28129~0.png

Meghan, a Duquesa de Sussex, visitou nesta quinta-feira Uvalde, Texas, onde doou comida em um centro comunitário que organiza uma campanha de doação de sangue e colocou flores em um memorial para as vítimas do tiroteio na escola primária. que matou 21 pessoas, incluindo 19 crianças.

O BuzzFeed News conversou com voluntários do Herby Ham Activity Center que aceitaram as doações da Duquesa. Fotógrafos capturaram imagens de Meghan no local do memorial.

De acordo com os voluntários da doação de sangue, Meghan, usando um boné de beisebol e uma máscara preta, foi discretamente à cozinha do centro comunitário para deixar duas sacolas “grandes” cheias de sanduíches, bebidas e sobremesas para doadores de sangue.

Eu não tinha ideia de quem ela era. Ela estava apenas mantendo uma conversa como se ela e eu nos conhecêssemos há anos, disse a voluntária Gloria Contreras, 40, ao BuzzFeed News. Nós estávamos falando sobre, você sabe, a situação e o que aconteceu o que estávamos fazendo aqui. Eu disse a ela sobre dar água para as pessoas e alimentá-las.

Eu até falei sobre minha vida pessoal, contando a ela sobre meu filho e minha família e, você sabe, vindo para o Texas porque ela me disse que era de Santa Bárbara e eu disse: ‘Bem, você precisa vir para o Texas!’ disse Contreras. Nós estávamos falando sobre Texas e Uvalde e como é estar em uma cidade pequena e como todos são tão gentis e calorosos e sabem que nos conhecemos e outras coisas e como a fé é profundamente enraizada.

Um representante dos Sussex confirmou ao BuzzFeed News que a Duquesa viajou para Uvalde ‘a título pessoal como mãe’ para oferecer ‘suas condolências e apoio pessoalmente a uma comunidade que está passando por um luto inimaginável’.

Ela foi muito doce, disse o voluntário, Georjean Burnell, 46, ao BuzzFeed News. Ela meio que entrou com sua equipe e começou a colocar água gelada no balde conosco e a distribuir batatas fritas para as pessoas que precisavam de lanches antes e depois da doação. É engraçado, nós nem sabíamos que era ela até depois que ela saiu e agora estamos tão tristes. Quer dizer, para ser honesto, nós pensamos que ela era nossa vizinha.

 

n_28129.png n_281029.png n_28429.png

 

Artigo original BuzzFeed.

O Duque e a Duquesa de Sussex participaram no fim do último mês do NAACP Image Awards. A premiação ainda aconteceu no esquema meio virtual e meio presencial, e até os últimos instantes não se tinha informação de como seria a aparição de Meghan e Harry.

NAACP é uma das mais antigas e mais influentes instituições a favor dos direitos civis de uma minoria nos Estados Unidos da América. NAACP Image Awards é uma premiação concedida anualmente, desde 1970, pela Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor (NAACP) para os afro-americanos mais influentes do cinema, televisão e música do ano.

O casal de vestiu apropriadamente com designers pretos. Enquanto o smoking de Harry era de Ozwald Boateng, Markle escolheu Christopher John Rogers para assinar seu vestido. CJR destacou para Vogue que ele e Meghan trabalharam na peça um mês antes da premiação acontecer e que foi a Duquesa quem entrou em contato com ele, por e-mail.

Fiquei imediatamente impressionado com seu entusiasmo e sua conduta no – sua sensação de tranquilidade e confiança dentro de si mesma. Nós rapidamente tocamos nessa ideia de uma revelação. Ela realmente não saía assim há um tempo.

É sempre muito emocionante poder usar cores e muitos tons diferentes da mesma cor para criar algum tipo de grafismo, que é uma assinatura minha. É algo que parece fresco e certo para agora, disse Rogers para Vogue Magazine.

Harry e Meghan receberam o President’s Awards no NAACP. A honra reconhece os feitos notáveis de serviço público. Outros que receberam o prêmio incluem Muhammad Ali, Jesse Jackson, Colin Powell, Condoleezza Rice, LeBron James, Rihanna, Jay-Z, Lauryn Hill, Soledad O’Brien, entre outros.

O casal anunciou a criação do prêmio, o NAACP – Archewell Digital Civil Rights Award, apoiado pela Archewell Foundation e administrada pela NAACP, é um prêmio recente criado para reconhecer líderes criando transformação e mudança – nas intercessões de justiça social e tecnologia – pra avançar os direitos civis e humanos. O recipiente do inaugural prêmio NAACP – Archewell Digital Civil Rights de 2022 é a renomada autora e professora Doutora Safiya Noble, que foi pioneira no estudo de como as tecnologias digitais interagem com a cultura, raça e gênero.

Todo ano os destacados irão receber um prêmio de cem mil dólares sem restrição de uso para utilizar nos avanços de novos trabalhos, expandir lideranças e especialistas ou continuar a fazer impacto no campo.

Assista ao discurso legendado de Meghan e Harry no NAACP Image Awards.

Meghan Markle e Príncipe Harry recebem o NAACP President’s Awards [LEGENDADO BRPT] from Meghan Markle Brasil on Vimeo.

 

B0EAA85C-A5C7-412F-BE0A-CC5388E46576.jpeg 809E4E64-1100-4EE0-9E35-B420182C0E9B.jpeg

É de conhecimento geral que Meghan Markle é uma avisa por escrita e leitura. Um de seus empregos ao longo de sua vida foi de calígrafa e posteriormente, ela se tornou escritora de blog. Na manhã de hoje, foi anunciado que Meghan lançará no próximo dia 8 de junho seu primeiro livro, o infantil “The Bench”.

Bench em português significa “banco” e já na descrição no livro, conseguimos entender o porquê da escolha deste título:

Este é seu banco

Onde você testemunhará uma grande alegria.

Daqui você vai descansar

Veja o crescimento do nosso menino.

Este pequeno poema foi escrito por Meghan para seu marido Harry, um mês após o nascimento do filho do casal, Archie, na época da comemoração do dia dos pais no Reino Unido. O livro contava história do vínculo especial entre pai e filho, narrado pela perspectiva da mãe.

Ilustrado por Christian Robinson, o objetivo é mostrar a beleza do amor de um pai através das aquarelas de Christian. Em uma nota no site da Archewell, Meghan deixou seus pensamentos sobre essa nova faceta de sua carreira:

The Bench começou como um poema que escrevi para meu marido no Dia dos Pais, um mês após Archie nascer. Esse poema se tornou essa história. Christian em camadas de belas e etéreas ilustrações em aquarela que capturam o calor, a alegria e o conforto do relacionamento entre pais e filhos de todas as esferas da vida; essa representação foi particularmente importante para mim, e Christian e eu trabalhamos de perto para retratar esse vínculo especial através de uma lente inclusiva. Minha esperança é que The Bench ressoe com todas as famílias, não importa a maquiagem, tanto quanto com a minha.

O livro será lançando por selos importantes da estante infantil em alguns países. Aqui no Brasil, você conseguirá fazer sua compra pela Amazon, mas somente para verão e-book. Também está disponível para compra um audiobook, narrado por Markle. Clique AQUI e acesse os links de todas as plataformas possíveis para compra.

No Brasil, a venda está sendo feita pela AMAZON BRASIL. Ainda não se tem noticias sobre uma versão em português, já que na Amazon, somente a versão em ingles e e-book está disponivel para pré-venda. Com poucas horas do anúncio, “The Bench” já se tornou o segundo livro mais vendido dos EUA neste momento, se tornando um best seller. O efeito Meghan Markle nunca falha.

O domingo, 7 de março trouxe consigo um abalo para o mundo. O Duque e a Duquesa de Sussex foram entrevistados por Oprah Winfrey em um extenso programa de duas horas na emissora CBS. A entrevista foi carregada de sinceridade e revelações bombásticas.

Já no inicio da conversa, Oprah deixou bem claro que nenhuma das repostas foi combinada anteriormente e que Meghan e Harry não receberam nenhuma compensação financeira para ceder aquela entrevista. Apesar de cenas exclusivas terem sido gravadas na casa dos Sussexes em Montecito na California, o cenario do bate papo, também ocorreu na cidade californiana, mas na casa de um amigo do casal.

Como já sabíamos, o inicio da entrevista contou somente com Meghan e Oprah. A Duquesa contou sobre seu primeiro encontro com a Rainha Elizabeth II e que contou com a ajuda de Harry e de Sarah, Duquesa de York para fazer a cortesia de maneira correta para a Rainha. Meghan a todo momento teceu vários elogios a monarca e disse que seu relaciomento com a Rainha sempre foi o melhor possivel.

A Duquesa também conta que a realidade dentro de uma monarquia é totalmente diferente daquilo que pensamos e que ela não foi preparada pela insttuição em nenhum momento. O que se sabe ao longo de decadas é que as pessoas recém chegadas a firma, sempre recebem um treinamento para que tudo continue em seu rito perfeito. Mas com Markle isso não aconteceu. Provavelmente ela não recebeu este apoio pois tudo foi feito para que o casamento não acontecesse.

Falando no casamento real, Meghan revelou que ela e Harry se casaram três dias antes do casamento real mais assistindo de todos os tempos. Ela disse que ela e Harry pediram que o Arcebispo fosse até eles e os desse a benção. Com somente os três no jardim, eles tiveram seu momento de amor intimista.

Vocês podem assistir todo o casamento real legendado clicando AQUI.

Oprah segue a entrevista e toca em um assunto que assombrou a Duquesa por anos: Meghan ter feito Kate chorar. Seis meses após o casamento dos Sussexes, manchetes tomaram conta do Reino Unido, dizendo que Meghan havia feito sua cunhada, Kate Middleton, chorar devido a escolha dos vestidos das daminhas do casamento de MEGHAN. Foi neste momento que Meghan foi feita de vilã e Kate de mocinha. Meghan vilã por fazer escolhas em seu próprio casamento.

Winfrey perguntou a Markle se a história era verdadeira, e ela disse que não e que na verdade, a história foi toalmente o contrário:

Ela estava triste com algo na semana do casamento. Mas ela me mandou flores e a gente se resolveu. Ela (Kate) estava chateada com o vestido das meninas. Ela me fez chorar e machucou meus sentimentos. Não acho que seja justo entrar nos detalhes, porque ela pediu desculpas e eu perdoei.

Não tô compartilhando isso pra desprezarem a Kate, mas porque é preciso que saibam a verdade. Não precisa da polaridade, se você me ama, não precisa a odiar nem vice versa.

Precisamos abrir um parentese neste assunto. Obviamente ninguém é 100% tudo nesta vida. O grande problema apontado pelos fãs dos Sussexes ao longo dos anos é que Kate se beneficiou de toda essa narrativa e que em nenhum momento pudemos ver um aceno negativo dela ou do Palácio de que a história não era verdadeira, pelo contrário. As fontes do Palácio e os amigos proximos da Duquesa de Cambridge, sempre dizeram questão de ensosar a história, de que Meghan fez Kate chorar por discordância em prepataivos de seu proprio casamento.

Meghan disse que mesmo que tenha resolvido todo o assunto com Kate, ela ficou extremamente chateada pelo assunto ter sido vazado para a imprensa, mesmo após ter se passado meses e mesmo com todo seu esforço para preservar Kate. Markle disse que esperou que Middleton quisesse resolver a situação, mas que prefere acreditar que o Palácio a silenciou assim como aconteceu com ela. Para a Duquesa de Sussex, a mídia contribuiu muito para o assassinato de seu caráter, criando uma rivalidade inexistente com a Duquesa de Cambridge.

Em um momento chave da entrevista, Oprah Winfrey pergunta a Meghan se ela ficou em silêncio por conta própria ou foi silenciada e Markle diz que foi silenciada. A Duquesa disse que como ela sempre foi uma mulher independente e com voz, foi extremamente difícil para ela não se defender, mas que confiou que na palavra do Palácio, de que ela seria protegida. Segundo Meghan, seu maior arrependimento foi ter acreditado que eles a defenderiam e que quando ela percebeu que o Palácio defendia outros membros da família, por coisas mínimas, eles negavam defesa a ela e Harry pelas inverdades que eram ditas sobre eles.

Meghan Markle disse inúmeras vezes que os funcionários do Palacio diziam a ela que todos eles passaram por situações difíceis com a mídia, mas que ela acredita que mídia grosseira e mídia racista são coisas totalmente diferentes.

Meghan conta que os últimos 4 anos de sua vida não foram nada como pareceram. Ela disse que não podia sair. Que ela saiu duas vezes de casa, que se sentia solitária. A Duquesa enfrentou uma grande depressão durante sua gravidez. Markle se abriu com sinceridade sobre seus problemas de saúde mental. Ela contou que em dado momento pensou em tirar sua própria vida.

Ela contou com a ajuda de Harry, mas também procurou pela instituição para que ela conseguisse se internar em algum lugar, mas que o pedido foi negado pelo Palácio, mas que eles alegaram que não seria possível, pois seria ruim para a imagem da monarquia.

Então a entrevista focou em Archie, o filho mais velho de Meghan e Harry. Ela conta como foi enfrentar seus problemas de saúde mental e ainda por cima, saber que a monarquia não estava disposta a proteger seu filho.

M: Eles não queriam que o bebê fosse uma princesa/príncipe, disseram que não receberia segurança.
O: Era importante o Archie ser Príncipe?
M: Se isso significa ele ter segurança, com certeza. Mas eu não me importo com nada disso, eu peço pra me chamarem de Meghan. Quando o pai do Harry se tornar rei automaticamente o Archie se tornará príncipe. Não é direito deles (Staff do Palácio) tirar isso do Archie. Eles querem mudar a regra para o Archie, por que?

Meghan em dado momento disse que a instituição se preocupou com o quão escuro seria o tom de pele de Archie e que isso afetaria sim, a conceção de títulos a criança. Markle disse que Harry quem ouviu esse questionamento, que ela pessoalmente nunca foi questionada sobre isso, mas que foi um membro da família quem questionou seu marido sobre.

Markle não quis revelar quem foi extremante racista com um bebê que se quer havia nascido, e disse seria muito desastroso pra instituição dizer quem estava questionando o quão escuro Archie seria. Harry disse que jamais repetiria a pergunta em voz alta e nem revelaria quem fez o questionamento, mas que foi chocante o que ele ouviu.

Perguntada por Oprah se ela tinha medo das represálias do Palácio, Meghan foi enfática ao dizer que não, já que ela havia perdido muito ao decorrer do caminho.

Muito já foi perdido… Eu perdi meu pai, perdi um bebê, quase perdi meu nome. Eu não sei como eles poderiam esperar que depois de todo esse tempo nós permaneceríamos em silêncio, enquanto A Firma espalha falsas alegações contra nós.

O momento de leveza veio quando o assunto gravidez veio à tona. Harry e Meghan super animados anunciaram que estão à espera de uma menina e nascerá no verão do hemisfério norte: junho, julho ou agosto.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Meghan Markle Brasil (@marklecombra)

Logo após a entrevista, o fotografo e amigo de Meghan, Misan Harriman divulgou mais uma foto da família para marcar a revelação do sexo do bebê. Nesta nova foto, Archie se junta aos pais.

Quando o assunto foi a saída do casal dos cargos de realeza sênior, Harry revelou que em nenhum momento surpreendeu a Rainha, que haviam dois anos que ele vinha tentando com a instituição um modelo de trabalho que ele e Meghan conseguissem fugir de todo o assédio da mídia. Foi revelado que eles sugeriram morar em outros países da Commonwealth para continuar representando a Rainha, ao mesmo tempo que teriam uma vida mais sossegada. Os países sugeridos foram Nova Zelândia, Canadá, Austrália, África do Sul… todas as opções foram negadas pelo Palácio. Como já suspeitávamos, Harry revelou que se o casal tivesse obtido suporte e compreensão da instituição, eles não teriam deixado os deveres reais.

A segurança do casal sempre foi uma pauta de discursão em todos mundo e a monarquia retirou a segurança deles quando a família ainda estava no Canadá, sem aviso prévio. Harry foi avisado que os seguranças iam ser removidos e ele não sabia quanto mais a quarentena ia durar. Tyler Perry ofereceu a casa nos EUA e eles se mudaram.

Na questão de segurança, eu nunca achei que a perderia pois eu sempre fui um elemento da família, então foi um choque para mim – Harry sobre a perda da segurança.

A Meghan escreveu pra a Família Real pedindo pra não tirar a segurança do Harry, ela entendia que não tinha a segurança pra ela ou o Archie, mas que ela via as ameaças de morte, as questões raciais, mas não queria que Harry perdesse sua proteção. Harry disse que seu maior medo é ver a história se repetir, onde Meghan seria tão perseguida quanto sua mãe, a princesa Diana.

Harry disse que ainda está chateado com sua família, por eles nunca terem demostrado apoio público a Meghan, principalmente nas questões raciais e que isso seria ainda mais importante para a imagem da monarquia, visto que a Commonwealth é composta majoritariamente por pessoas pretas. A entrevista ainda cita o relacionamento quase inexistente de Harry com seu pai e irmão. Diretamente, Meghan fala com um tom de rancor dessas pessoas e sempre fala “família de Harry”. A Rainha, príncipe Philip, a Duquesa de York e a princesa Eugenie foram as únicas citadas com carinho por Meghan.

A entrevista obtebe seu saldo positivo. Ficou bastante claro para o mundo a importância do debate de saúde mental. O debate do racismo também é importante. Clicando AQUI você assistirá a entrevista completa e legendada. Caso não consiga abrir o player devido ao grande número de acessos, faça uma copia do arquivo em seu drive e faça o download, visto que a entrevista contém mais de 6GB de memória.

Em nosso podcast, Fora da Realeza, demos nossa opinião sincera sobre os assuntos debatidos na entrevista e demais noticias chaves.

Hoje o Meghan Markle Brasil completa 2 anos de existência.

Particularmente estamos mais felizes por toda nossa trajetória, todos os nossos projetos e por ter o apoio de vocês diariamente. Desde o início nossa equipe se propõe a trazer o melhor conteúdo, da maneira mais rápida e com as melhores fontes possíveis. Jamais seremos capazes de agradecer com intensidade o tamanho da nossa gratidão. Obrigada por engajarem, por se envolverem conosco.

Em forma de comemoração, lançamos nosso próprio podcast, onde todas as segundas-feiras iremos bater um papo sobre tudo que envolva Harry e Meghan. O “Fora da Realeza” é um programa exclusivo do Spotify e esperamos que vocês gostem. Não deixem de nos seguir no Spotify e no Instagram.

No primeiro episódio, conversamos sobre o 2020 de Harry e Meghan e das expectativas para a “revisão” imposta ao casal pela Família Real. Foi uma longa conversa onde enfim, demos nossa opinião envolvendo os Windsor.

 

Após meses de especulação, tivemos hoje a confirmação de um acordo entre Meghan Markle e Principe Harry com a grande empresa de streaming, Spotify. O casal que já possui um contato com a Netflix, agora eles são hosts do podcast Archewell Audio.

O podcast que leva o nome da organização sem fins lucrativos do casal, levara conversas divertidas e importantes dos assuntos dos quais são importantes para os Sussexes. A produtora do casal, que não sabemos seu nome, é a responsável pela produção do conteúdo. O Spotify anunciou a parceria de anos com o casal para produzir podcasts e programas que contam histórias. Então devemos esperar mais projetos de Meghan e Harry com a plataforma?

O Archewell Audio será distribuído para todo o mundo e o alcance do Spotify conta com 144 milhoes de assinantes premium e 320 milhoes de usuários ativos mensais, que poderão ouvir gratuitamente as questões levantadas pelos Sussexes.

Em comunicado, a diretora de conteúdo e negócios de publicidade do Spotify, Dawn Ostroff, se mostrou animado com a adição do casal na empresa:

O Duque e a Duquesa de Sussex podem morar na Califórnia, mas o poder de suas vozes reside em sua condição de cidadãos do mundo. O fato de eles estarem abraçando a capacidade extraordinária dos podcasts no Spotify ao mesmo tempo em que buscam elevar vozes sub-representadas é uma prova de sua apreciação pelo potencial da narrativa em áudio. Estamos orgulhosos da parceria com o Duque e a Duquesa e esperamos ouvir diretamente deles e de outros criadores que eles estarão promovendo através de nossa plataforma global.

Nesta amanhã, quando a novidade foi anunciada, O Duque e a Duquesa de Sussex também enviaram um comunicado para a imprensa:

O que amamos no podcast é que lembra a todos nós de parar um momento e realmente ouvir, de nos conectarmos uns aos outros sem distração. Com os desafios de 2020, nunca houve um momento mais importante para isso, porque quando nós ouvimos e as histórias uns dos outros, somos lembrados de como todos nós estamos interconectados.

Abaixo, leia a transcrição em português do Trailler de Archewell Audio:

H: Podemos começar? Damas primeiro?

M: Não, diga você, porque acho que soa muito bem com o seu sotaque.

H: Bem, vou resolver isso. Archewell Áudio.

M: Sim, ótimo! Quero dizer…

H: Sério?

M: Podemos?

H: Oi pessoal! Eu sou Harry.

M: E eu sou Meghan. Uma das coisas sobre as quais meu marido e eu sempre conversamos é a nossa paixão por conhecer pessoas e ouvir suas histórias e, não importa qual seja a história, eles geralmente oferecem uma compreensão de onde outra pessoa está vindo e, ao mesmo tempo, lembram você, de alguma forma uma história sobre você.

H: E é isso que este projeto tem como objetivo apresentar diferentes perspectivas e vozes que talvez você não tenha ouvido antes e encontrar nosso terreno comum, porque quando isso acontece, a mudança é realmente possível.

M: E, você sabe, este também é um momento para celebrar a bondade e a compaixão, algo que vimos em tantos lugares este ano. E será a base de tudo o que você ouve em nosso Archewell Audio. Então é isso que estamos fazendo.

H: E o primeiro é um especial de festas.

M: Dun dun dun…

H: ding, ding, ding… Mal podemos esperar para compartilhar isso com vocês. Será lançado no final deste mês.

M: Estaremos conversando com algumas pessoas incríveis. Eles vão compartilhar suas memórias que realmente ajudaram a moldar o ano que passou, que foi, como sabemos, difícil para todos.

H: Tantas pessoas passaram por tanta dor este ano, experimentando perdas, uma enorme quantidade de incertezas. Mas vale a pena reconhecer que 2020 está nos conectando de maneiras que nunca imaginamos por meio de atos infinitos de compaixão e bondade.

M: E o que realmente importa está mais claro agora mais do que nunca.

H: Então aqui está o que você precisa fazer. Siga agora mesmo. Continue. Vá beber. E assim você não vai perder. Você poderá ouvir novos programas de Archewell Audio assim que eles forem lançados.

M: Estamos muito animados. Portanto, siga e ouça gratuitamente apenas no Spotify. Nos encontraremos de volta aqui em breve.

H: Boas festas.

M: Felicidades.

H: E bem-vindo ao Archewell Audio.

M: Agora, a voz do podcast existe!

O Sopotify distribui gratuitamente podcasts para todos os usuarios. Não deixe de seguir o Archewell Audio e compartilhar com seus amigos. Não façam gravações dos episodios e distribuam nas redes sociais, isso é prejuducial para Meghan e Harry.  E por fim, aproveite.

 

Talvez o caminho para a cura comece com três palavras simples:

Você está bem?

Era uma manhã de julho que começou tão normalmente quanto qualquer outro dia: Faz o café da manhã. Alimentei os cachorros. Tomei vitaminas. Encontrei a meia que falta. Peguei o giz de cera desonesto que rolou por baixo da mesa. Joguei meu cabelo em um rabo de cavalo antes de tirar meu filho de seu berço.

Depois de trocar a fralda, senti uma cãibra forte. Eu me joguei no chão com ele em meus braços, cantarolando uma canção de ninar para nos manter calmos, a melodia alegre em forte contraste com a minha sensação de que algo não estava certo.

Eu sabia, enquanto agarrava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo filho.

Horas depois, eu estava deitada em uma cama de hospital, segurando a mão do meu marido. Senti a umidade de sua palma e beijei seus dedos, molhados com nossas lágrimas. Olhando para as paredes brancas e frias, meus olhos ficaram vidrados. Tentei imaginar como nos curaríamos.

Eu me lembrei de um momento no ano passado quando Harry e eu estávamos terminando uma longa turnê na África do Sul. Eu estava exausta. Eu estava amamentando nosso filho pequeno e tentando manter uma expressão corajosa aos olhos do público.

“Você está bem?” um jornalista me perguntou. Respondi-lhe honestamente, sem saber que o que eu disse iria ressoar com tantas – mães novas e mais velhas, e qualquer um que, à sua maneira, sofreu silenciosamente. Minha resposta improvisada parecia dar às pessoas permissão para falar sua verdade. Mas não foi responder honestamente que mais me ajudou, foi a própria pergunta.

“Obrigado por perguntar,” eu disse. “Poucas pessoas perguntaram se eu estou bem.”

Sentada em uma cama de hospital, vendo o coração do meu marido se partir enquanto ele tentava segurar os pedaços do meu, percebi que a única maneira de começar a curar é primeiro perguntando: “Você está bem?”

Nós estamos? Este ano trouxe para muitos de nós ao nosso ponto de ruptura. A perda e a dor atormentaram cada um de nós em 2020, em momentos ao mesmo tempo difíceis e debilitantes. Já ouvimos todas as histórias: uma mulher começa o dia, tão normal quanto qualquer outro, mas depois recebe uma ligação informando que perdeu sua mãe idosa para a Covid-19. Um homem acorda se sentindo bem, talvez um pouco lento, mas nada fora do comum. Ele deu positivo para o coronavírus e, em poucas semanas, ele – como centenas de milhares de outros – morreu.

Uma jovem chamada Breonna Taylor vai dormir, assim como todas as noites anteriores, mas ela não vive para ver o amanhecer porque uma batida policial dá terrivelmente errado. George Floyd deixa uma loja de conveniência, sem perceber que dará seu último suspiro sob o peso do joelho de alguém e, em seus momentos finais, chama por sua mãe. Protestos pacíficos tornam-se violentos. A saúde rapidamente se transforma em doença. Em lugares onde antes havia comunidade, agora há divisão.

Além de tudo isso, parece que não concordamos mais sobre o que é verdade. Não estamos apenas brigando por nossas opiniões sobre os fatos; estamos polarizados quanto ao fato de o fato ser, de fato, um fato. Não sabemos se a ciência é real. Estamos em desacordo sobre se uma eleição foi ganha ou perdida. Estamos em desacordo quanto ao valor do compromisso.

Essa polarização, juntamente com o isolamento social necessário para combater esta pandemia, nos fez sentir mais sozinhos do que nunca.

Quando eu estava no final da adolescência, sentei-me no banco de trás de um táxi, zunindo pela agitação de Manhattan. Olhei pela janela e vi uma mulher em seu telefone em uma torrente de lágrimas. Ela estava parada na calçada, vivendo um momento privado muito publicamente. Na época, a cidade era nova para mim e perguntei ao motorista se deveríamos parar para ver se a mulher precisava de ajuda.

Ele explicou que os nova-iorquinos vivem suas vidas pessoais em espaços públicos. “Amamos na cidade, choramos na rua, nossas emoções e histórias lá para qualquer pessoa ver”, lembro-me dele me contando. “Não se preocupe, alguém naquela esquina vai perguntar se ela está bem.”

Agora, todos esses anos depois, em isolamento e confinamento, lamentando a perda de um filho, a perda da crença compartilhada por meu país no que é verdade, penso naquela mulher em Nova York. E se ninguém parasse? E se ninguém a visse sofrendo? E se ninguém ajudasse?

Eu gostaria de poder voltar e pedir ao meu taxista para parar. Esse, eu percebo, é o perigo de viver em silos – onde momentos tristes, assustadores ou sacrossantos são vividos sozinho. Ninguém para para perguntar: “Você está bem?”

Perder um filho significa carregar uma dor quase insuportável, vivida por muitos, mas falada por poucos. Na dor de nossa perda, meu marido e eu descobrimos que em um quarto com 100 mulheres, 10 a 20 delas sofreram aborto espontâneo. No entanto, apesar da incrível semelhança dessa dor, a conversa permanece um tabu, cheia de vergonha (injustificada) e perpetuando um ciclo de luto solitário.

Alguns corajosamente compartilharam suas histórias; eles abriram a porta, sabendo que quando uma pessoa fala a verdade, isso dá licença para todos nós fazermos o mesmo. Aprendemos que quando as pessoas perguntam como qualquer um de nós está indo, e quando realmente ouvem a resposta, com o coração e a mente abertos, o fardo da tristeza geralmente fica mais leve – para todos nós. Ao sermos convidados a compartilhar nossa dor, damos os primeiros passos em direção à cura.

Portanto, neste Dia de Ação de Graças, quando planejamos um feriado diferente de todos os anteriores – muitos de nós separados de nossos entes queridos, sozinhos, doentes, assustados, divididos e talvez lutando para encontrar algo, qualquer coisa, pelo qual ser gratos – vamos nos comprometer a perguntar aos outros, “Você está bem?” Por mais que possamos discordar, por mais distantes fisicamente que estejamos, a verdade é que estamos mais conectados do que nunca por causa de tudo o que suportamos individual e coletivamente este ano.

Estamos nos ajustando a uma nova normalidade em que os rostos são ocultados por máscaras, mas isso nos força a olhar nos olhos uns dos outros – às vezes cheios de calor, outras vezes de lágrimas. Pela primeira vez, em muito tempo, como seres humanos, estamos realmente nos vendo.

Estamos bem?

Nós ficaremos.

 

Caso você retire alguma parte dessa tradução do nosso site, dê os devidos créditos.

Artigo original: The New York Time.