O jornal britânico aceitou a derrota e pagará uma quantia adicional não especificada por infringir os direitos autorais da Duquesa. O Mail on Sunday pagará à Duquesa de Sussex apenas £1 em danos por invadir sua privacidade, publicando uma carta particular que ela havia enviado a seu pai.

A quantia nominal foi definida em documentos judiciais que também confirmam formalmente que o jornal – e seu site irmão MailOnline – aceitou a derrota e não levará o caso de longa data a um recurso da Suprema Corte. A agência também pagará uma quantia não especificada pelo caso separado de violação dos direitos autorais de Meghan ao publicar grandes partes da carta.

Mark Stephens, um advogado de mídia, disse que o acordo nominal para o aspecto da privacidade sugere uma fraqueza nesse aspecto do caso de Meghan:

Normalmente, para esse tipo de invasão de privacidade, você esperaria de £75.000 a £125.000. Isso mostra que a curadoria de sua reputação foi uma área em que ela efetivamente invadiu sua própria privacidade.

O editor do jornal também concordou em pagar uma quantia confidencial em danos por violação de direitos autorais. O Mail on Sunday também enfrenta a necessidade de cobrir uma parte substancial dos custos legais de Meghan, que podem chegar a mais de £1 milhão.

A Duquesa sempre disse que sua batalha legal de três anos contra a Associated Newspapers, a editora do Mail on Sunday e do site irmão MailOnline, era mais sobre princípios do que dinheiro. Seu porta-voz disse que as vitórias no tribunal demonstraram a força de ambas as reivindicações e que os remédios financeiros seriam baseados no direito de Meghan a uma conta dos lucros do jornal após sua vitória. O porta-voz descreveu o pagamento como substancial e disse que seria doado para instituições de caridade.

Como parte do acordo judicial, as agências do Mail também foram obrigadas a evitar a divulgação dos nomes de cinco amigos de Meghan que falaram anonimamente à revista People para um artigo de 2018 sobre Meghan. O jornal já havia tentado nomear os indivíduos em processos judiciais.

O Mail on Sunday e o MailOnline também foram obrigados a veicular declarações de primeira página e página inicial de que haviam perdido o processo legal, com os tribunais até mesmo especificando em qual fonte as declarações deveriam aparecer. Os meios de comunicação optaram por fazer isso no Boxing Day, um dos dias de notícias mais calmos e de poucas vendas de jornais do ano no Reino Unido.

A Associated Newspapers argumentou que o caso de Meghan deveria ter ido a julgamento, mas os juízes concluíram o contrário. Uma decisão no início de dezembro disse que a Duquesa tinha uma “expectativa razoável” de privacidade em relação ao conteúdo da carta para seu pai, Thomas Markle.

Esses conteúdos eram pessoais, privados e não questões de legítimo interesse público, disse o juiz de apelação Sir Geoffrey Vos.

Meghan comemorou essa vitória pedindo uma reformulação da indústria dos tabloides e falou de como ela foi paciente em face da “decepção, intimidação e ataques calculados” e criticou uma “indústria dos tabloides que condiciona as pessoas a serem cruéis e lucra com as mentiras e dores que eles criam”.

Na época, a Associated Newspapers alegou que estava disposta a levar o caso à suprema corte, mas isso acabou sendo uma ameaça vazia.

O foco agora provavelmente se voltará para as ações do marido da Duquesa, o Príncipe Harry, que está processando o News UK de Rupert Murdoch e o editor Reach do Daily Mirror sobre alegações de hacking de telefone em um caso que poderá ser ouvido no final deste ano.

Artigo original The Guardian.