O pai de Meghan Markle, Thomas, depôs contra sua filha no processo de violação de privacidade que a Duquesa move contra o Mail on Sunday. Abaixo, vocês lerão na integra o depoimento de Thomas.

PRIMEIRA DECLARAÇÃO DE TESTEMUNHA DE THOMAS MARKLE

Eu, Thomas Markle, direi o seguinte:

Eu sou o pai da Requerente. Estou fazendo esta declaração a pedido do Réu, que me pediu para explicar minhas razões para querer que o jornal do Réu publicasse trechos da carta de agosto de 2018 de minha filha Meg para mim.

O artigo na revista People, fevereiro de 2019

Quando li o artigo “The Truth About Meghan” na revista People, fiquei chocado com o que disseram sobre mim. Foi uma mentira total. Representou mal o tom e o conteúdo da carta que  Meg me escreveu em agosto de 2018. Rapidamente decidi que queria corrigir essa deturpação.

Pareceu que o artigo tinha sido expressamente autorizado por Meg ou ela tinha ao menos conhecimento e aprovado para sua publicação. Eu acreditava (e ainda acredito) que Meghan queria que seu relato sobre a carta fosse publicado. As fontes do artigo foram chamados de “melhores amigos” de Meg. Pareceu-me que ela deve ter usado esses amigos para passar informações para a imprensa, informações que ela queria que fossem publicadas, incluindo informações sobre a carta que ela obviamente disse a eles que havia escrito. Eu não pensei que seus amigos teriam informações sobre a carta, a menos que ela os tivesse pedido. O artigo também se refere à minha carta de volta para Meg, da qual só ela teria conhecimento.

O artigo citava um amigo de longa data de Meg falando sobre a carta. Ela foi citada como dizendo: “Depois do casamento, ela escreveu uma carta para ele. Ela disse: Pai, estou com o coração partido. eu amo você. Eu tenho um pai, por favor, pare de me vitimar por meio da mídia para que possamos reparar nosso relacionamento.” Isso sugeriu às pessoas que Meg havia me contactado com a carta, dizendo na carta que ela me amava e que ela queria consertar nosso relacionamento.

Essa sugestão era falsa. A carta não era uma tentativa de reconciliação. Foi uma crítica a mim. A carta não dizia que ela me amava. Nem perguntou como eu estava. Não mostrou preocupação com o fato de eu ter sofrido um ataque cardíaco e não ter feito perguntas sobre minha saúde. Na verdade, sinalizou o fim do nosso relacionamento, não uma reconciliação.

O artigo da revista People também deturpou minha resposta à carta. Ele disse que eu tinha respondido à carta de Meg solicitando uma oportunidade de foto: “Ele escreve a ela uma carta muito longa em troca, e ele o fecha solicitando uma oportunidade de foto com ela. E ela pensa: “É o oposto do que estou dizendo. Estou dizendo que não quero me comunicar pela mídia, e você me pedindo para me comunicar através da mídia. Você ouviu algo que eu disse?”. Isso implicava que queria uma foto por motivos de publicidade. Esse não foi o caso – com minha resposta à carta dela havia esclarecido. Eu tinha sugerido uma foto minha e da Meg juntos enquanto pensava em uma foto mostrando que se estivéssemos em um relacionamento harmonioso, a imprensa recuaria.

O artigo da People também me acusou (e minha outra filha Samantha) de “inverdades”: “Dolorosa ‘Mistruths’, a meia-irmã de Meghan, Samantha, falou criticamente sobre ela para o Reino Unido. tabloides, acusando-a de ser difícil, enquanto seu pai, Thomas, disse que ela o excluiu – afirma que seus amigos dizem que são patentemente falsas”. Foi errado a revista People dizer que eu menti sobre Meg me excluindo – ela havia me excluído, como a carta dela mostrava.

O artigo da People continha outras imprecisões sobre mim. Primeiro, sugeriu que eu era o culpado para o fim da relação já que eu a havia ignorado: “É quase como se fossem navios passando, sabe como entrar em contato com ela. Seu número de telefone não mudou. Ele nunca ligou; ele nunca mandou uma mensagem. É super doloroso, porque Meg sempre foi tão obediente. eu acho ela sempre se sentirá genuinamente arrasado com o que ele fez. E ao mesmo tempo, porque ela é uma filha, tem muita simpatia por ele”. Isso era falso. Eu tinha tentado várias vezes contatá-la depois do casamento, mas não consegui encontrar uma maneira de fazê-la falar comigo.

Em segundo lugar, um ex-colega de Meg foi citado pela revista People dizendo “Meghan foi uma rocha para todos em sua família. É uma pena que esteja sendo pintada nesta outro luz que é absolutamente falsa. Ela [cuidou de seu pai] com uma generosidade incrível. O fato de que isso poderia ser distorcido, que ela estava agindo mal ou não se importava com ele, é absurdo”. Isso era errado e injusto. Parecia que Meg sempre estava apoiando, o que não era verdade.

Minhas negociações com o Mail on Sunday 

Até ler o artigo na revista People, nunca tive a intenção de falar publicamente sobre a carta para mim. O conteúdo desse artigo fez com que eu mudasse de ideia. Foi só publicar o texto da carta para que eu pudesse esclarecer corretamente o registro e mostrar que o que a revista People publicou era falsa e injusta. O artigo deu uma imprecisão do conteúdo da carta e de minha resposta e me caluniou ao fazer de conta que eu estava sendo desonesto, explorador, em busca de publicidade, indiferente e de coração frio, deixando uma leal e filha obediente devastada. Eu tive que me defender contra aquele ataque.

Embora eu tenha sido abordado por outros jornalistas para comentar depois que o artigo na People revista foi publicada, eu decidi entrar em contato com Caroline Graham do Mail On Sunday para dizer que queria divulgar a verdade. Eu nunca pedi e nunca recebi nenhum pagamento pelo artigo.

Foi importante para mim deixar claro sobre mim e sobre o tom e o conteúdo da carta que Caroline não deveria apenas descrever o que Meg havia escrito, mas que ela deveria citar e reproduzir partes da carta. Se o público não viu a carta e leu o que dizia em suas próprias palavras, não achei que alguém fosse acreditar em mim. Naquela época, o que havia eram artigos dizendo que eu era um mentiroso, incluindo que menti sobre meu ataque cardíaco, mesmo na TV, e havia pessoas dizendo que eu não fui ao primeiro casamento de Meg quando fui. O texto da carta prova que o que foi dito na revista People sobre a carta estava errado. Ele “dissolve” o que foi dito sobre mim naquele artigo. Os leitores tinham que ver a carta por si próprios – então eles saberiam que estavam obtendo a verdade.

O Mail on Sunday respeitou meu desejo de publicar partes da carta já que era eu contando minha história e era da minha escolha dizer quais partes da carta deveriam ser publicadas para eu contar essa história. Eu, então, mostrei as partes e aprovei a publicação dessas partes. Eu poderia ter dito não se eles quisessem publicar partes da carta que eu não quisesse publicadas. A escolha era minha. Eu não queria tudo da carta sendo publicado. A razão para isso é que eu achava que a carta toda fazia Meg parecer horrível. Eu não quero atacar ou machucar ela. Eu só queria me defender contrapondo a impressão que foi dada de mim e da carta entre Meg, eu e pelo artigo da People e eu não pensei que seria necessário publicar toda a carta para fazer isso, mas era necessário publicar o que foi publicado.

 

O doador de esperma de Meghan depôs no dia 3 de dezembro de 2020 no caso Meghan vs. Mail on Sunday.