Eu, Edward Verity, Editor do The Mail on Sunday, direi o seguinte:

Eu sou o Editor do The Mail on Sunday e era o Editor na época da publicação do mês de fevereiro 2019 artigos que deram origem a este processo. Antes de me tornar editor do The Mail, trabalhei para o Réu em uma variedade de funções editoriais por quase 30 anos.

Considerações editoriais sobre os artigos de 10 de fevereiro de 2019

O Mail on Sunday publica histórias regulares sobre a família real, refletindo nossos leitores interesse em assuntos reais. Todos os membros da família real desfrutam de imensa riqueza e privilégios e custou ao contribuinte britânico uma quantia significativa de dinheiro. Parece-me que existe um legítimo interesse público no comportamento dos membros da família real e sua adequação para desfrute desses enormes privilégios. Além disso, há um interesse público adequado na conduta de a família real como uma família, no que diz respeito às relações mútuas. Casamentos reais, por exemplo, são eventos nacionais importantes, assim como nascimentos reais. Houve uma quantidade enorme de interesse público no casamento do Duque de Sussex com a Requerente em maio de 2018 e em comum com muitos outros jornais, havíamos fornecido ampla cobertura do casamento e havia publicado muitas histórias sobre o próprio casal. Uma das características particulares do história do casamento foi o não comparecimento do pai da Requerente – um assunto sobre o qual eu lembrar o palácio emitiu um comunicado público. Houve muita especulação pública quanto ao razões para isso e a natureza do relacionamento da Requerente com seu pai.

No início de fevereiro de 2019, a revista People publicou um artigo sobre a Reclamante com base em informações fornecidas por cinco de seus amigos. Esse recurso estava na primeira página da revista, que foi estampada com o título “A verdade sobre Meghan”. A característica foi um retrato lisonjeiro da Requerente, dito ser baseado em informações de um círculo leal de amigos próximos”. A proximidade das relações foi destacada pela referência ao fato de que esses amigos visitaram a Requerente na Inglaterra (não está claro se separadamente ou em conjunto). o informações no artigo incluíam um relato de um “amigo de longa data” sobre eventos que levaram a o colapso da relação da Requerente com seu pai, incluindo os eventos que levaram à o casamento é seu não comparecimento ao casamento, e suas comunicações após o Casamento. Incluía uma descrição do conteúdo da carta que ela havia escrito para ele (o assunto desta reivindicação) e da carta que ele havia escrito para ela em resposta, e o reação a essa resposta.

Os artigos da revista People foram grandes eventos de notícias e foram relatados na mídia de notícias todos pelo mundo. O Réu cobriu no Mail Online, e também foi pego por muitos outros meios de comunicação nacionais. Foi uma grande notícia que a Duquesa de Sussex, um membro da família real, tinha, ao que parecia, usado amigos íntimos e confidentes para promover um altamente imagem lisonjeira de si mesma em um meio de comunicação americano, e que esses amigos deram informações de natureza bastante pessoal sobre a Requerente (e o pai da Requerente) para que saísse, incluindo informações sobre o estilo de vida e relacionamentos da Requerente. De particular significância foi a informação revelada quanto ao relacionamento do reclamante e comunicações com o pai, porque a revista People abriu pela primeira vez uma conta de eventos da perspectiva da Requerente, levando ao pai da Requerente não comparecer ao casamento e o subsequente colapso de seu relacionamento.

Após a publicação do artigo na revista People, nossa repórter Caroline baseada em Los Angeles Graham entrou em contato com o pai da Requerente (que ela já conhecia) e discutiu com ele o que havia sido publicado na revista People. Descobriu-se que ele considerou os eventos descritos no artigo Pessoas que levam ao colapso de seu relacionamento com a Requerente, incluindo sua correspondência após o casamento, foram gravemente deturpados. Um aspecto dessa declaração falsa foi que a descrição do conteúdo do carta para ele (“Pai, estou com o coração tão partido. Eu te amo. Eu tenho um pai. Por favor, pare de me vitimar através da mídia para que possamos reparar nosso relacionamento”) era falsa; a carta não procurou reparar seu relacionamento (um fato que me disseram que a Requerente agora admitiu neste alegação), e isso pode ser visto no texto da própria carta. Outro aspecto foi que o Sr.

A carta de Markle para sua filha também foi mal interpretada; ele não tinha pedido uma “oportunidade de foto” como o artigo People declarou. Os eventos que antecederam o casamento também foram descritos inteiramente do ponto de vista da Requerente e de uma forma que o Sr. Markle considerou muito injusta para com ele.

Por todas essas razões, o Sr. Markle queria que Caroline o ajudasse a esclarecer as coisas sobre o que realmente aconteceu. Para contar sua história a Caroline, ele deu a ela uma cópia da carta que a Requerente lhe enviou (“a Carta”). Ele não queria que toda a Carta fosse publicada porque ele achava que sua filha ficava horrível, mas ele queria mostrar às pessoas que eles podem ter lido na revista People era impreciso e injusto com ele. Ele também forneceu informações sobre as várias maneiras como o artigo da People e a carta da Requerente para ele, em sua opinião continha informações falsas.

Fiquei satisfeito de que havia bons motivos para publicar a história que Caroline produziu para nós. Pareceu-me claro, a partir da Carta, que seu tom e conteúdo foram deturpados pela Revista People de uma forma injusta para com Tom e parcial para com a Requerente e que portanto, distorceu a verdade sobre o que a Requerente havia escrito a seu pai. Eu li a carta como um tipo bastante legalista de “J’Accuse” – que não era como foi retratado na revista People. Portanto, parecia-me que o que Tom estava dizendo era confiável, e que ele tinha direito de corrigir o registro e era certo dar a ele a oportunidade de fazê-lo.

Também sentimos que havia outros bons motivos para relatar essa história. O artigo da People foi uma grande notícia sobre um membro proeminente da família real britânica que precisávamos cobrir devidamente. As informações que recebemos de Tom colocaram em questão a conduta do Reclamante e comportamento e, à luz de seu status real, era importante que essas questões fossem trazidas acender. Também achamos que era interessante e importante que – como parecia para nós na época e ainda o faz, apesar das negações do Reclamante – o Reclamante usou a mídia, isto é, Pessoas revista, para promover uma imagem particular, muito positiva, amorosa e cuidadosa de si mesma que ela procurado na mídia. Houve sérias questões sobre a adequação do “Meghan’s fight media back ”, como dizia o primeiro título do primeiro artigo do Mail on Sunday.

Tendo decidido publicar a história, eu estava muito claro em minha própria mente que era absolutamente vital para citar a carta do reclamante. Ficou claro que o artigo da People havia estabelecido uma descrição imprecisa do conteúdo da Carta. O resumo da mensagem da Carta conforme estabelecido no parágrafo 5 acima, era muito enganoso sobre o tom e o conteúdo da Carta. Teria sido um jornalismo muito pobre apenas para dar uma descrição mais detalhada do que estava no Carta e fazê-lo não teria estabelecido enfaticamente a imprecisão do que tinha sido publicado na revista People. Eu senti que dar aos leitores trechos impressos para eles lerem para eles próprios era uma representação muito mais justa do que tentar resumir o conteúdo para eles. Os leitores podem tomar suas próprias decisões lendo os próprios trechos. Se você resumir coisas, existe o perigo de o resumo ser parcial ou inclinado. O mais justo e de fato a única maneira eficaz de permitir que os leitores entendam exatamente o que a Requerente estava dizendo a ela meu pai deveria publicar e mostrar as palavras reais da Carta.

Além disso, se tivéssemos publicado as informações resumindo o conteúdo – ao invés de publicar trechos da carta – os leitores podem encontrar os pontos apresentados na história quanto à descrição imprecisa e injusta da Carta em Pessoas muito menos crível. Leitores são muito céticos. Eles podem ter pensado que havíamos descrito incorretamente a Carta ou mesmo que tínhamos na verdade, não vi. Você sai do seu caminho como jornalista para provar aos seus leitores que o que você está dizendo é real e verdadeiro. A razão para citar diretamente da Carta e reproduzir trechos da Carta que mostram a caligrafia da Requerente é que mostra às pessoas que essa é a verdadeira coisa. Além disso, Tom não tinha recebido a melhor imprensa até aquele momento e uma história simplesmente relatando o que ele disse sobre a Carta, sem citá-la, não teria credibilidade.

Minhas discussões com colegas sobre a história incluíram a consideração de como a própria Carta deveria ser apresentada no artigo publicado, quais bits incluir e quais bits deixar de fora. Incluímos o que acreditamos ser o mínimo necessário para estabelecer a precisão e credibilidade da nossa história. Existem partes que omitimos deliberadamente. Eles eram tangenciais ao  ponto que o pai da Requerente estava tentando fazer ao corrigir o registro e, em alguns casos, foram outras boas razões para omiti-los. Por exemplo, houve um pouco sobre a reclamante, que teria revelado informações pessoais sobre ela que nós auto censuramos. Outro exemplo foi algumas palavras que se referiam às especificações do médico de Tom questões que cortamos de uma frase. Mas nós lemos a Carta e pegamos os pedaços que nós pensamos que representam melhor seu ponto geral e tom, e também as partes que Tom nos disse serem errado. Meu vice, Tristan Davies, foi responsável por colocá-lo na página, ou seja, decidir como a história terminaria. Nosso objetivo geral era dar uma representação justa e precisa da Carta, mas sem reproduzir mais do que o necessário para alcançar precisão e justiça.

Em relação às partes da Carta que citamos, explicamos (sob cada citação) exatamente por que Tom contestou o que o Reclamante havia dito na Carta, para que os leitores entendessem as contas rivais.

Decidi que Tom deveria aprovar quanto e o que incluímos. Era uma história que ele queria contar e queríamos ter certeza de que ele estava feliz com isso. Além disso, queremos o que nós publique para estar certo. Se alguém está muito próximo de uma história, muitas vezes parece (e parecia neste caso) sensato e correto levá-los a examiná-lo antes da publicação para verificar se está tudo correto e justo. Tom aprovou os extratos que escolhemos.

Os artigos invocados pela Requerente apresentavam a mesma história geral, mas abordavam a história de diferentes ângulos. No jornal impresso, eles foram apresentados juntos em dois spreads (ou seja, mais de quatro páginas), embora no site cada parte possa ser acessada independentemente. Essa abordagem de apresentar a mesma história de maneiras diferentes é comum na prática.

Embora esta seja uma história única, certamente não é exclusiva para o Mail on Sunday e outros jornais para publicar trechos de cartas e outros documentos como parte de seus comunicando. Isso geralmente é feito por boas razões editoriais, para que os leitores possam ver o material de origem e decidir por si próprios se estão recebendo a verdade sobre uma situação particular ou relação. Isso realmente importa quando a história é de destaque ou provavelmente controversa. UMA exemplo recente no Mail on Sunday é a reprodução de material de cabogramas diplomáticos enviado pelo então embaixador britânico em Washington, Sir Kim Darroch. Publicamos uma história (exibido aqui como EV1) sobre como Sir Kim relatou a Londres em Donald Trump e sua presidência. Esta história usou extensos extratos dos próprios cabos diplomáticos, e também foi ilustrado com imagens do material. Isso transmitiu a surpreendente franqueza e termos às vezes muito coloridos em que Sir Kim informava políticos em Londres sobre o Trump Administração. Sem esse material, o leitor teria sido privado de um essencial elemento da história, que lhe emprestou verdade e plausibilidade inegáveis. Neste caso, desde o ponto de publicar certos trechos da Carta não era apenas para transmitir o que estava na Carta, mas em vez de corrigir uma descrição enganosa em um relatório anterior quanto ao seu tom e conteúdo, foi ainda mais importante que os leitores vissem trechos demonstrando que tal descrição era falso.

Informações fornecidas a mim sobre questões em disputa nestes processos

Recentemente, tive uma reunião com um membro sênior da casa real (“a fonte”). a reunião ocorreu pessoalmente há menos de três meses. Eu tinha conhecido a fonte em uma ocasião. A fonte tinha conhecimento direto dos assuntos que ele me falou sobre e quais são definidos abaixo. Não tenho absolutamente nenhuma razão para pensar que a fonte estava sendo outra coisa senão completamente verdadeiro. Eles estavam plenamente cientes das questões em disputa neste processo e como eles foram importantes para mim e para a empresa para a qual trabalho. Isso não era fofoca ou boatos: era o que eu considerava ser uma informação de alto nível de um indivíduo sério em uma posição de autoridade e responsabilidade que conhecia as implicações do que eles estavam me dizendo.

As informações que a fonte me deu incluem o seguinte:

Houve vários rascunhos da Carta (conforme definido acima).

Jason Knauf, membro da equipe de comunicações do Palácio de Kensington, trabalhou em nesses rascunhos com a Requerente.

Muitos ajustes nos rascunhos foram feitos por meios eletrônicos de comunicação.

Sara Latham, que trabalhou como profissional de comunicação para a Reclamante e seu marido, ajudou os autores de Finding Freedom desempenhando um papel que foi essencialmente verificação de fatos, para garantir que os autores não tenham entendido nada de errado.

Uma mulher chamada Keleigh da Sunshine Sachs era responsável por fazer ligações para ‘abrir portas ‘para os autores de Finding Freedom.

A fonte acredita que Omid Scobie recebeu uma cópia da carta do Requerente e que estava indo para “uma das grandes revelações” do Livro.

Que os membros da equipe real estão cientes de que têm informações sobre a verdade (das questões, neste caso) e que ‘isso está chegando’ e eles terão que contar à verdade.