Na transcrição, pulamos os primeiros segundos iniciais que são uma publicidade feita no episódio. Na metade dele também tem outra publicidade e ela também foi ignorada aqui.

Legendas:

Ho1/Ho2/Ho3 = Hosts

H: Harry

M: Meghan

Ho1: Hoje estamos com convidados especiais, o Duque e a Duquesa de Sussex. Como vocês estão?

M: Oi, eu sou a Meghan

H: Oi, eu sou o Harry.

M: Estamos felizes de estar com vocês hoje, como vocês estão?

Ho1: Bem! É um dia lindo.

Ho2: Um pouco nervoso.

M: Não precisa ficar! Por que você está nervoso?

Ho2: Vai passar, vou conseguir. Como você supera o nervosismo?

M: Hum, acho que muito disso acontece quando você entra em ambientes que não são familiares, você não sabe o que esperar. Sempre haverá algum nervosismo. Mas se você tem uma noção do que vai acontecer, eu acho que se você está preparado e realmente confortável e sabe que é verdade, então você está realmente sendo você mesmo. E no final do dia, pessoas são pessoas. Portanto, seja qual for a sala de pessoas com quem você está, ainda é o mesmo de você levado para a mesa. Então, acho que uma vez que você esclarece isso, fica tudo bem. Mas nem funciona.. Respirar fundo é muito útil.

Ho1: Eu sei que vocês têm feito muito ativismo ultimamente. Este episódio é em homenagem ao Dia Mundial da Saúde Mental. O que vocês têm feito no campo da saúde mental?

H: Nossa quer saber? Para nós. Não acho que se limite à saúde mental. Eu acho que do jeito que tudo que está acontecendo no mundo agora, é o momento que as pessoas começam a pensar em saúde mental imediatamente. As pessoas pensam em um pequeno grupo de pessoas em oposição a cada um de nós. E eu acho que se você pudesse dizer com segurança que 90% das pessoas no planeta Terra sofreram algum tipo de trauma, alguma forma de perda, alguma forma de luto e isso varia de pessoa para pessoa, então certamente ao longo deste ano por conta da COVID. Eu acho que provavelmente é seguro dizer que 99,9%, senão 100% das pessoas experimentaram alguma forma de um desses ou todos aqueles ao mesmo tempo. Então eu acho que agora para mim, como eu disse, a saúde mental está focada nas pessoas que estão lutando. É preciso ir muito mais além do que isso para a aceitação, da apreciação de que cada um de nós tem saúde mental e cada um de nós tem coisas acontecendo nas quais precisamos falar sobre tudo o que precisamos de ajuda. Embora tenhamos alguma forma de compaixão e empatia por outras pessoas que estão passando por algo.

Ho1: Então sim, isso é definitivamente e especificamente agora porque, obviamente, quando existe uma pandemia aumenta o problema principal, você sabe, afetou desproporcionalmente diferentes tipos de comunidades. Eu mesmo, como imigrante, isso afetou minha mãe solteira. Você sabe que isso afeta pessoas, que afetam pessoas de renda mais baixa, de todos os tipos de origens. E eu acho que o adolescente é principalmente afetado, porque não tem só isso acontecendo, mas agora não tem escola. A vida social está indo embora. E, pessoalmente, sinto que minha saúde mental me colocou em uma situação muito solitária, conforme você se isola de seus amigos e se isola dessas experiências, e eu acho que é mais para falar sobre isso, porque assim que começarmos a falar sobre isso, as pessoas se sentirão menos sozinhas.

M: Sim claro. Quer dizer, acho que tem outra parte disso também, não apenas para uma faixa etária mais jovem, mas para qualquer pessoa, especialmente para o que você pontuou. Se você não está na escola, está sozinho. Está mais online, certo? E há muitas vulnerabilidades que eu acho que muitas pessoas estão experimentando. Sim, é uma ótima forma de se conectar, mas também acaba sendo um lugar onde há muita desconexão. Sabe, posso falar pessoalmente, Teo. Disseram-me que em 2019 eu era a pessoa mais perseguida em todo o mundo, homem ou mulher. Agora, oito meses disso, eu não estava nem invisível. Eu estava de licença maternidade com um bebê, mas o que era capaz de ser fabricado e produzido? É quase impossível de sobreviver. Isso é tão grande. Pensar sobre isso é difícil. Não importa se você tem 15 ou 25 anos. Se as pessoas estão dizendo coisas sobre você que não são verdadeiras, o que isso faz com a sua saúde mental e emocional é tão prejudicial. E então eu acho que do meu ponto de vista e parte do trabalho que fazemos é de nossa própria experiência pessoal, ser capaz de falar com as pessoas e entender que mesmo que nossa experiência seja única, de forma individual e obviamente, pareça muito diferente do que as pessoas vivenciam no dia a dia, ainda é uma experiência humana e universal. Todos nós sabemos o que é se sentir magoado. Todos nós sabemos o que é estar isolado. E acho que é por isso que o trabalho que vocês estão fazendo aqui é tão importante para que as pessoas saibam que há alguém para conversar. Então você não está sozinho em nada disso. Todos nós estamos tentando entender.

Ho1: Sim, quero dizer, é o nível de vulnerabilidade que realmente cria um senso de comunidade. Acho que neste momento estamos todos vulneráveis. Quer dizer, todos nós temos muitas coisas com as quais estamos lidando e que estamos lutando contra, você sabe, como você mantém uma perspectiva positiva quando você está, sabe, sendo o centro das atenções? Como você mantém essa perspectiva positiva? Como você escolhe se concentrar em seu próprio bem-estar?

H: É diferente pra cada um. mas é sim, é muito. Há seus dias bons e ruins, mas acho que colocar o seu cuidado como uma prioridade é extremamente importante porque vulnerabilidade não é um ponto fraco, mostrando vulnerabilidade no mundo de hoje, especialmente, é uma força. E certamente pudemos ver mais disso de alguns desses líderes globais, porque é. Você sabe, nós nos metemos neste buraco muito profundo, que precisamos sair, e acho que algo da sua geração pelo que vi, o que ouvi, é que a capacidade de ser capaz de falar sobre suas experiências não só ajuda você, mas está ajudando centenas, milhares, talvez até milhões cada vez que falamos sobre isso aqui e quanto mais falamos sobre isso, mais se torna normal e é normal, e não é um sinal de fraqueza. Como eu disse, é um sinal de força, não apenas uma habilidade, mas você também precisa falar sobre isso. Então você sabe, nossa situação é um tanto única, mas então cada situação de pessoa, é uma versão diferente da mesma situação. A mesma coisa com Meghan. Ela disse. Em uma escala global, foi o que aconteceu em 2019. Mas se você é uma menina, um menino na escola e você, esse é o seu mundo. Então, se você está sendo atacado ou intimidando… Qualquer que seja a situação…

M: Pode não ser o mundo inteiro, mas parece o mundo inteiro, sabe? E eu acho que para nós é isso, quais são as ferramentas, certo? Como você se mantém ancorado em que você é? Como você sobrevive a isso? Como você supera as coisas que são desafiadoras dessa maneira? Acho que o primeiro é o que vocês fazem. Você tem que falar sobre isso certo? Quanto mais você internaliza, mais desafios enfrentamos em termos de como você pode se recuperar de algo que não está disposto a falar sobre? Depois, separado disso, acho que você encontrará certas coisas que funcionaram para nós. Para mim. Eu acho que um diário é uma coisa realmente poderosa. Isso me permite refletir sobre de onde vim, e com isso vem muita perspectiva, que acho que você sabe, acho que a maioria de nós pode se conectar à ideia de que às vezes quando você está passando por algo, parece a maior coisa do mundo inteiro. Mas então você olha para trás no ano. Sim, ainda era difícil. Não era tão grande comparativamente, e não é para diminuir o que era. Mas quando você tem uma perspectiva que só é visível quando você tem como verificar com algo que você escreveu ou seus amigos para lembrá-lo. Lembra quando isso aconteceu? Acho que é muito valioso para que tudo não se torne intransponível. Há sempre uma maneira de superar algo.

H: Nós também temos uma escolha, e acho que é muito fácil ser sugado. Ser consumido pela negatividade, mas todos nós temos a escolha de sermos capazes de cortar isso de nossas vidas. Você sabe, ódio. Seguir se tornou uma coisa. Nos preocupamos com a nossa dieta, o mesmo se aplica para elevar nossa mente. O que estamos consumindo está nos afetando Então, para mim. Eu faço a escolha de não ler, de não ver e de me retirar disso e eu foco no lado esperançoso, Muito do que eu recebo de sua geração é ótimo. Mas, você sabe, para mim, meditação é a chave. E nunca pensei que seria uma pessoa que faz isso. Claro, a importância de apenas reservar um momento e criar esse tempo em seu dia para poder respirar e realmente se concentrar nas coisas que realmente importam…

M: Ele é muito dedicado a isso e faz um bom trabalho.

H: E eu acho que isso cria uma certa resiliência porque quanto mais coisas te atingem, mais forte você se torna. Mas isso não significa que você tem que sofrer silenciosamente. Realmente fale sobre isso. Como eu disse, você sabe, para nós da posição, é importante conversar sobre essas coisas, especialmente se vamos ajudar outra pessoa. Ok, então está tudo bem. Você me dá permissão para falar sobre isso, certo?

Ho2: E você fez isso especificamente há alguns anos. Falou sobre ir à terapia e como falar sobre seus sentimentos que você reprimiu o ajudou imensamente. E isso foi considerado uma grande virada de jogo no Reino Unido. E eu me pergunto se a razão, especificamente, de como os homens sentem que não temos permissão para falar sobre nossos sentimentos e os negócios na cultura da masculinidade tóxica, é como nos enganar fazendo-nos acreditar que suprimir é o caminho a seguir, em vez de mostrá-lo abertamente. E que esconder é bravura.

H: Sim, eu entendo isso completamente. Para mim, o sinal de força é falar sobre isso e quem disser o contrário, em minha mente, provavelmente é algumas daquelas pessoas que têm suas próprias coisas e precisam trabalhar nelas. O que tenho visto tanto ao longo dos anos são pessoas se escondendo atrás de nomes de usuário, especialmente, é claro, no espaço online. Há coisas que eu disse digitalmente que ninguém diria pessoalmente, é claro, mas acho que também acontece muita projeção, sabe, acho que muitas, muitas pessoas estão sofrendo muito e enlouquecendo por causa da maneira como o mundo está e por causa da câmara de eco que está sendo criada para eles pela plataforma online que eles escolheram estar. Mas também se trata de controle. Você pode controlar o que vê. Você pode controlar o que faz, portanto, sejam notificações ou vibração, toque, seja o que for, essas coisas controlam você em vez de você assumir o controle.

M: Então isso é realmente uma coisa que as pessoas freqüentemente esquecem. Estamos tão condicionados, deixando nossa experiência de usuário ser definida pela plataforma ou o que quer que esteja online, ao invés de assumir o controle de sua vida. Vocês são pessoas inteligentes, então desligue o conteúdo sugerido ou recomendado. E quanto a você? O que aconteceria se, por um dia, todo mundo simplesmente ficasse online para ver exatamente o que estão procurando, em vez do que está sendo empurrados na direção deles? Se você não estivesse apenas rolando sem pensar e acabando em alguma toca de coelho em que não estava interessado, podemos realmente pensar sobre o que faríamos com todo esse tempo extra e quem seríamos sem alguém criando nosso universo para nós, em vez de dizer: Não, eu só estava vindo aqui em busca de algo realmente positivo. Só quero ver se meus amigos estão fazendo. Seria tomar posse do ambiente de volta. É como retomar o poder e assumir o controle de nossas vidas é uma grande parte disso.

Ho3: Percebi que você age como se tivesse que falar sobre isso primeiro. Mas você já se sentiu hesitante e nervosa para falar sobre algo e como você consegue superar isso?

M: Em certo momento, você só precisa estar confortável em sua própria pele. E nesses momentos em que você fala, é melhor não falar nada? Mas qual é a alternativa? Internalizar? E o efeito adverso que vai acabar tendo em você, seus relacionamentos, seu bem estar emocional. Como meu marido estava dizendo antes, quando você pensa sobre o valor nutricional de algo, sabe, quando eles começaram a colocar informações nutricionais sobre o McDonald’s ou fast food ou o que quer que seja? E então, de repente, as pessoas ficaram realmente cientes do que estavam comendo. Você pode imaginar se houvesse uma ficha nutricional em cada site ou coisa que você acessasse e dissesse: Isso é realmente muito tóxico para a sua saúde. Se você continuar comendo isso todos os dias, vai causar isso, isso, isso e isso. Mas é isso que estamos consumindo. Estamos apenas digerindo isso em nossas mentes, digerindo em nossos corações, isso tem um efeito realmente enorme sobre nós que ninguém está falando. Então, para responder à sua pergunta quando você tiver aquele momento de dúvida se você deve falar ou falar abertamente, de novo, se você ficar em silêncio, acho que poderia ser muito pior para a sua saúde do que as pessoas dão crédito.

Ho2: Sim, quero dizer, não apenas para sua saúde. Falar sobre isso é apenas combater o estigma. Só por fazer isso, acho que se fala muito, especialmente com ativistas sobre como remover o estigma, e todos nós sabemos que devemos remover o estigma. Mas as pessoas não são necessariamente educadas quanto o motivo.. Qual é o problema desse estigma? E o que descobri é que se nós, como sociedade, abordamos o estigma da mesma forma que abordamos algo como a puberdade, menstruação, para os quais temos aula durante a escola… Eles nos dizem o que esperar, como vamos esperar, como vamos lidar com isso e que está totalmente bem e normal. Todos nós passamos por isso. Você sabe, como quando você tem sua primeira menstruação, você vai para sua mãe e diz: menstruei, Ok, vamos corrigir isso. Vamos. Tome conta disso. Você consegue. Agora, se como sociedade fizéssemos isso, mas com saúde mental e apenas disséssemos: “Sabe mãe? Eu me sinto deprimido.” Nós vamos ao médico, consertamos e saímos. E se todos falarem sobre isso em conjunto, parece que há uma luz no fim do túnel e faz você perceber que é normal.

PROPAGANDA

H: O estigma prospera no silêncio. Certo, esse é o ponto principal. Mas então, em segundo lugar, acho que é realmente importante que as pessoas se lembrem de que você não sabe se tem que ir ao médico imediatamente. E eu acho que se você permitir isso, quanto mais você ficar quieto potencialmente, mais essas questões esses pensamentos e ideias, seja o que for que seja se acumulam e viram uma bola de neve. Muitas pessoas odeiam ir ao médico.. Sim, nós sabemos, especialmente nossa saúde mental, porque muitos deles podem não ser capazes de dizer que não sabem o que está acontecendo. São os ferimentos invisíveis. Eu acho que esse tipo de coisa assusta as pessoas, mas seus amigos não são completamente estranhos. Existem tantas formas diferentes de ajuda por aí que, novamente, para mim, a mais saudável, a mais forte. As melhores pessoas que conheço são aquelas que falam abertamente sobre sua saúde mental, sem rotulá-la, necessariamente, apenas sendo aberta porque esse é o caminho. E então, uma vez que você vê o efeito, tem um efeito dominó, uma vez que uma pessoa fala sobre isso num grupo de amigos e se espalha. Existem amigos que te conhecem tem 20 anos, talvez menos pra vocês, que de repente começam a compartilhar coisas que eles desejavam contar a alguém e não percebem por que estão contando a você. Eles estão contando porque ouviram um amigo compartilhar algo sobre sua vida.

Ho2: É bem simples.

H: Ele demoraria um pouco, mas uma pergunta genuína em vez dessa ideia de se esconder. Você está bem! Porque é tudo que todos estavam vivendo neste mundo de mensagens de texto onde temos uma frase e já reagimos. Ao invés de realmente perguntar: “Você está bem?” Estou realmente perguntando como você está? Como você está se sentindo agora?  Nos últimos 4 anos, fui saber como eles estavam, e quando eu pergunto: Como vai você? Eu realmente quero saber.Todo mundo aceita qualquer resposta e eu realmente quero saber.

M: Apenas a palavra “Saúde mental” é muito difícil para as pessoas dizerem sem sentir que isso tem alguma conotação negativa. Então vamos chamar só de saúde. Porque o que está acontecendo em sua cabeça, espírito e corpo é o mesmo, está tudo conectado. E você teria uma conversa confortável sobre a saúde de alguém. Então, talvez possamos apenas expandir essa conversa sobre sua saúde emocional, falar sobre sua saúde holística, e isso inclui o que está acontecendo em sua mente. O que quero dizer é apenas falar sobre isso.

Ho1: Sim Sim. Quer dizer, essa é a ideia do podcast. Falar sobre ajuda muito. E Meghan, agora, como você está, realmente?

M: Não é engraçado? Foi há cerca de um ano atrás que alguém me perguntou isso. Estávamos em uma turnê na África do Sul. E no último dia do tour, cara, eu tava cansada. Ia dar banho ao Archie e voltar para casa.

H: Ela ainda estava amamentando.

M: Então, muitas pessoas você não conhece. É como correr uma maratona. Então, entre cada compromisso oficial, eu voltava para me certificar de que nosso filho fosse alimentado e, sim, era. Era muito. Mas no final, o jornalista me perguntou: Bem, você está bem? E eu não sabia que minha resposta receberia tanto interesse de todo o mundo, porque eu disse: “Bem… As pessoas realmente não me perguntaram se estou bem.” Eu não pensei sobre essa resposta. Eu apenas respondi honestamente, porque eu estava em um momento de vulnerabilidade, porque eu estava cansada porque não havia apresentação. Essa sou eu. Uma mãe que está com um bebê de 4,5 meses e estava cansada, mas acho que fala sobre o motivo pelo qual isso ressoou nas pessoas… Todos querem ser questionados se estão bem. E então eu diria que hoje estou indo muito bem. Obrigada!

Ho1: Que bom que tem ido bem nos últimos meses, sei que tem sido difícil e vocês tem um filho. Tenho certeza, como se já não fosse difícil ser mãe, especialmente sob aquele holofote.

M: Para qualquer mãe agora, meu Deus, para qualquer de mãe e ponto final. Ou pais ou pais solteiros, mas certamente com a COVID, nós temos sorte de ter o luxo de céus azuis e ar fresco e verde. Muitas famílias. (Som de avião) Victor, você quer que eu espere por isso? Esse som?

Ho2: Adiciona som ambiente.

H: Posso fazer o som de pássaros se você quiser.

M: Ele ama pássaros!

H: Não vamos fazer isso!

M: Archie também ama pássaros… Mas eu acho, veja o que isso tocou para as pessoas que tem essa ideia de não se sentir magoado. A mãe da criança não sente que as pessoas estão perguntando sobre ela. Você tem um bebê e todos perguntam sobre ele. Na verdade, acho que isso é normal e muito fofo. Mas em todo o mundo, houve uma onda de “Sim, pergunte-me se estou bem.” Sim, mas também acho que ressoou para as pessoas além da comunidade de mães, seja lá o que for que pegou. E então, um ano depois, eu diria: Sim, estou indo bem e os últimos meses foram complicados para todos.. Certamente não podemos reclamar. Temos sorte. Todos nós temos nossa saúde. Temos telhados sobre nossas cabeças.

H: Olha, a parte única do nosso trabalho é, tudo o que você está passando e tudo o que outras pessoas passam, é tudo relativo àquele ambiente em que eles estão. Eu penso muito nas muitas comunidades e indivíduos com quem falamos muito sobre no ano passado, pois a maioria das pessoas com quem conversei em Londres ficaram presas no Reino Unido, ficaram presas em um prédio alto de apartamentos, não sendo incapazes de ver qualquer grama aberta e espaços verdes abertos. E eu acho que você sabe, nós fomos e sentimo-nos incrivelmente gratos, felizes por ser capazes de ter um espaço ao ar livre onde nosso filho deu seus primeiros passos, um espaço ao ar livre onde ele só pode ter espaço suficiente para correr e se mover assim. Isso foi realmente uma benção. Isso me lembra de quantas pessoas simplesmente empilhadas umas em cima das outras e assim o fazem por meses e o que isso deve fazer com a saúde mental dessas pessoas. Portanto, é uma coisa real. Mas como eu disse, cada um de nós tem saúde mental. Todos, cada um de nós precisa priorizar o nosso bem-estar emocional, porque se você não está fazendo isso por si mesmo é provável que você esteja afetando aqueles que você mais ama. E essa também é uma parte muito importante, porque pode parecer realmente isolante para o indivíduo. Mas quando você realmente se abre, quando você começa a compartilhar, a conexão que você sente com a família, amigos, estranhos é extraordinária. Você se sente parte de uma comunidade. E, como eu sempre disse para Meghan, fazendo antes mesmo de conhecê-la, eu tinha esse profundo senso de comunidade. assim que comecei a falar sobre minha própria saúde mental porque é uma comunidade de pessoas que não importa o que aconteça, cada pessoa quer ter certeza de que ninguém mais passará por aquilo que passou. Sim, essa é uma comunidade da qual quero fazer parte, e é uma comunidade que todos nós deveríamos fazer parte.

M: Antes de encerrarmos, gostaria de saber, já que vocês muito gentilmente me perguntaram como estou indo, como cada um de vocês, neste momento, se sentem? Quais são os desafios que vocês acham que estão surgindo para vocês. E quais são as coisas com as quais você se sente em paz?

H: Em um nível pessoal. E num nível geral.

Ho3: Bem, antes da entrevista, eu estava definitivamente muito nervosa. Só de falar com vocês me fez sentir muito melhor. E eu me lembro de você dizer que acabou de falar sobre algo vulnerável, como um grupo de amigos ou apenas seus amigos. No último episódio, falamos sobre uma morte na família e só de falar sobre isso foi um alívio. Foi tirar um peso do meu ombro. Então, sim, eu definitivamente concordo com você nisso, porque algo tão simples como dizer como isso afetou você realmente muda você. Mas sim, agora estou indo bem, e acho que estou apenas animada e nervosa com o que está por vir, especialmente por sermos veteranos no ensino médio. Então, como a próxima coisa, você sabe, O que você vai fazer quando sair?

Ho2: Hum, para mim, obviamente, ainda estou um pouco nervoso, mas está muito melhor agora, em termos de, você sabe, ser vulnerável. Sempre fui uma pessoa realmente aberta sobre o que estou passando e minha saúde mental. Mas recentemente tenho me sentido um pouco mais hesitante em não compartilhar meus problemas porque, você sabe, você está apenas se preocupando consigo mesmo e como se estivesse contando a seus amigos sobre a família, sobre seus problemas. Mas então você fica com medo de estar projetando essa energia negativa ou algo semelhante a eles. E isso faz você querer se isolar novamente. Então, sim, estou apenas tentando encontrar um balanço e uma maneira de compartilhar, mas não compartilhar demais.

H: Você sabe quantas pessoas se sentem assim? Na verdade, para as pessoas que são capazes de sentir e sentir isso, há algo que outras pessoas nunca sentiriam, eu acho que é um certo senso. É muita bravura fazer isso. Então, realmente reconheça como você está realmente se sentindo, como este evento ou como aquele evento realmente me fez sentir….

M: Tem como reformular isso. Muitas vezes as pessoas sentirão que você está jogando algo sobre elas. Ou talvez esse seja o fardo que você queira colocar em alguém. “Poxa, eles estão tendo um ótimo dia. Não quero despejar todas as minhas coisas neles.” Talvez você aborde isso de uma maneira diferente com um amigo e diga: “Estou realmente preocupado em despejar tudo isso em você, mas não é isso que estou pedindo. Estou perguntando se você pode… Eu nem estou pedindo para você carregar isso por mim. Mas você poderia carregá-lo comigo por um minuto? Ou você pode apenas segurar isso comigo por um minuto enquanto eu trabalho nisso?” E dessa forma não está colocando o fardo sobre mais ninguém, mas é o reconhecimento de que é muito peso para eu carregar sozinho, e se você pudesse apenas me ajudar nisso neste momento, eu poderia ser capaz para superar. E então parece muito mais gentil e uma maneira de você pedir ajuda e assim não pareça tão difícil para alguém aceitar.

H: E às vezes, essa ajuda é a escuta. As pessoas sentem que você está os procurando com essas questões. “Eu vou ter que ter uma resposta. Eu vou ter que ajudar. Eu não sei o que estou fazendo. Não posso te ajudar, não sou médico.” Eu não estou pedindo uma solução, estou pedindo pra você ouvir.

M: Nesses momentos existem duas opções. Você pode tentar ir além ou potencialmente desmoronar. mas use o momento para ir além e se conectar.

H: E se sentir melhor com isso.

Ho1: Acho que voltando ao assunto de como estamos. Obrigado por perguntar. Isso realmente significa muito, porque quando você conhece uma pessoa, compartilha algo pessoal, a conversa começa. Pessoalmente, definitivamente há muita felicidade na minha vida agora, mas com essa felicidade às vezes vem a culpa que você merece ser feliz. Sabe, se você cometeu um erro em sua vida como se você merecesse perdoar a si mesmo, quem dá o papel do perdão? E acho que lidei muito com isso por um tempo. Eu mereço essa felicidade? E quem tipo de, sabe, quando posso ser incondicionalmente feliz e não me sentir culpado pela tristeza de outra pessoa? Se o mundo está triste, você pode ficar feliz quando o mundo estiver triste? É basicamente com o que eu lido internamente? Muito.

M: Como você concilia tudo isso?

Ho1: Não tenho certeza se é um processo. Em que tento apenas encontrar maneiras de devolver e aprender mais sobre o perdão e que é importante. E falar sobre isso com todos e lidar com seus problemas.

M: E eles não são mutuamente exclusivos, que coisas podem estar acontecendo no mundo e você está fazendo sua parte para torná-los melhores. E nisso você ainda merecia alegria. E você ainda merece ser feliz.

M: Obrigada!

Ho1: Big H, Harry, obrigada por virem. Por falarem com a gente, vão ajudar muitas pessoas.

H: Muito bem.  Continuem assim, nunca parem. Cada vez que você faz um podcast, tenho certeza. Sim. Milhares de jovens. Uma coisa minima vai ressoar com eles. Nunca seria explicado a eles da maneira que acabaram de ouvir de vocês ou de onde quer que vocês estejam falando. E você tem que se lembrar disso. E talvez você repita as mesmas coisas, mas alguém sempre vai se identificar.

M: E não pensem que vocês sabem o que é. Alguém vai encontrar seu bilhete dourado nas coisas que nós menos imaginamos.

Transcrito E traduzido pela Equipe MMBR. Esse trabalho custou tempo da equipe, então, se você for utilizar parte deste texto, peça permissão E DÊ CRÉDITOS.