NOTA OFICIAL DO DUQUE E DA DUQUESA DE SUSSEX:

Temos o prazer de poder compartilhar agora com você uma atualização de muitos detalhes acordados em uma reunião da Família Real em janeiro de 2020, que descreve os novos papéis do Duque e da Duquesa de Sussex, entrando em vigor na primavera de 2020. Esperávamos poderá compartilhar esses detalhes com você mais cedo (para atenuar qualquer confusão e subsequentes declarações incorretas), mas os fatos abaixo devem ajudar a fornecer alguns esclarecimentos sobre essa transição e as etapas para o futuro.

CONFORME ACORDADO E ESTABELECIDO EM JANEIRO DE 2020:

– Concorda-se que o início do papel revisado do Duque e da Duquesa de Sussex entrará em vigor na primavera de 2020 e passará por uma revisão de 12 meses.

– A Família Real respeita e entende o desejo do Duque e da Duquesa de Sussex de viver uma vida mais independente em família, removendo a suposta justificativa de “interesse público” para a invasão da mídia em suas vidas. Eles continuam sendo uma parte valiosa da família de Sua Majestade.

– O Duque e a Duquesa de Sussex tornam-se membros da Família Real com financiamento privado, com permissão para obter sua própria renda e a capacidade de perseguir seus próprios interesses de caridade.

– A preferência do Duque e da duquesa de Sussex era continuar a representar e apoiar Sua Majestade a Rainha, embora em uma capacidade mais limitada, embora não se beneficiasse do Sovereign Grant.

– Embora haja precedentes para outros membros com título de nobreza da Família Real procurarem emprego fora da instituição, para o Duque e a Duquesa de Sussex, um período de revisão de 12 meses foi estabelecido.

– De acordo com o contrato, o Duque e a Duquesa de Sussex entendem que são obrigados a se afastar dos deveres reais e não assumir deveres representativos em nome de Sua Majestade, a Rainha.

– Conforme acordado e estabelecido em janeiro, o Duque e a Duquesa de Sussex manterão seu prefixo “HRH”, permanecendo formalmente conhecido como Sua Alteza Real, o Duque de Sussex e Sua Alteza Real, a Duquesa de Sussex. O Duque e a Duquesa de Sussex não usarão mais ativamente seus estilos de HRH, pois não serão mais membros trabalhadores da família a partir da primavera de 2020.

– Como neto de Sua Majestade e segundo filho do Príncipe de Gales, Príncipe Harry, o Duque de Sussex permanece em sexto na fila do trono da Monarquia Britânica e da Ordem de Precedência.

– Foi acordado que o Duque e a Duquesa não poderão mais cumprir formalmente os “deveres oficiais” da Rainha ou representar a Commonwealth, mas terão, no entanto, permissão para manter seus patrocínios (incluindo aqueles classificados como patrocínios reais”).

– Concorda-se que o Duque e a Duquesa de Sussex continuarão a exigir segurança efetiva para protegê-los e a seu filho. Isso se baseia no perfil público do Duque em virtude de nascer na Família Real, em seu serviço militar, no perfil independente da Duquesa e no nível compartilhado de ameaças e riscos documentado especificamente nos últimos anos. Nenhum detalhe adicional pode ser compartilhado, pois essas informações são classificadas por razões de segurança.

– Em relação às forças armadas, o Duque de Sussex manterá o posto de major e as fileiras honorárias de tenente-comandante e líder de esquadrão. Durante esse período de revisão de 12 meses, as nomeações militares oficiais do Duque não serão usadas como presente do Soberano. Nenhuma nova nomeação será feita para preencher essas funções antes que a revisão de 12 meses dos novos arranjos seja concluída.

– Enquanto estiver de acordo com o contrato, o Duque não desempenhará nenhum dever oficial associado a essas funções, dada sua dedicação à comunidade militar e dez anos de serviço, ele continuará, é claro, seu apoio inabalável à comunidade militar em uma capacidade não oficial. Como fundador dos Invictus Games, o Duque continuará orgulhosamente apoiando a comunidade militar em todo o mundo através da Invictus Games Foundation e do The Endeavor Fund.

– Com base no desejo do Duque e da Duquesa de Sussex de ter um papel reduzido como membro da Família Real foi decidido em janeiro que seu Escritório Institucional teria que ser fechado, dado o principal mecanismo de financiamento para esse escritório oficial no Palácio de Buckingham vem de Sua Alteza Real O Príncipe de GalesO Duque e a Duquesa compartilharam essas notícias pessoalmente com sua equipe em janeiro, depois que souberam da decisão e trabalharam em estreita colaboração com sua equipe para garantir uma transição suave para cada um deles.

– Durante o último mês e meio, o Duque e a Duquesa permaneceram ativamente envolvidos nesse processo, que tem sido entristecedor para o Duque e a Duquesa e sua equipe leal, dada a proximidade de Duas Altezas Reais e de sua equipe dedicada.

– Como o Duque e a Duquesa não serão mais considerados trabalhadores em tempo integral da Família Real, foi acordado que o uso da palavra ‘Royal’ precisaria ser revisto no que se refere às organizações a elas associadas nesse novo aspecto. Mais detalhes sobre isso abaixo.

DETALHES ADICIONAIS:

– Conforme compartilhado no início de janeiro neste site, O Duque e a Duquesa de Sussex não planejam iniciar uma ‘fundação’, mas pretendem desenvolver uma nova maneira de efetuar mudanças e complementar os esforços feitos por tantas fundações excelentes em todo o mundo.

– A criação dessa entidade sem fins lucrativos será um acréscimo ao trabalho orientado por causa com o qual eles permanecem profundamente comprometidos. Embora o Duque e a Duquesa estejam focados nos planos para estabelecer uma nova organização sem fins lucrativos, dadas às regras específicas do governo do Reino Unido em torno do uso da palavra ‘Royal’, foi acordado que a organização sem fins lucrativos não utilizará o nome ‘ Sussex Royal ‘ou qualquer outra iteração de’ Royal ‘.

– Pelo motivo acima, os pedidos de marcas registradas que foram arquivados como medidas de proteção e que refletiam as mesmas solicitações de marcas registradas padrão feitas para a Fundação Real do Duque e a Duquesa de Cambridge, foram removidos.

– Embora não haja nenhuma jurisdição da Monarquia ou do Gabinete sobre o uso da palavra ‘Royal’ no exterior, o Duque e a Duquesa de Sussex não pretendem usar ‘Sussex Royal’ ou qualquer iteração da palavra ‘Royal’ em qualquer território (dentro do Reino Unido ou não) quando a transição ocorrer na primavera de 2020.

– Como o Duque e a Duquesa de Sussex continuam desenvolvendo sua organização sem fins lucrativos e planejando seu futuro, esperamos que você use este site como fonte de informações factuais. Na primavera de 2020, seus canais digitais serão atualizados à medida que introduzirem a próxima fase emocionante para você.

O Duque e a Duquesa de Sussex aguardam ansiosamente a oportunidade de compartilhar mais com você e agradecer muito seu apoio!

Para juízo de valor, a primavera do hemisfério norte se inicia em 20 de março, contudo, os novos papéis dos Sussexes entrarão em vigor após o dia 31 de março, ou seja, a partir do 01 de abril, Harry e Meghan tornarão membros financeiramente independentes da Família Real Britânica.

O que se destaca em todo esse contexto primeiramente é a parte de que o Duque e a Duquesa desde janeiro já haviam deixado claro para seus funcionários que o escritório seria fechado e que foi triste para o casal ter que se desligar de pessoas que tão bem contribuíram para um bom trabalho, além de se tornarem aliados fieis do Duque e da Duquesa. Não ficou claro, entretanto se todo o time foi realocado ou demito, e se por acaso algum se tornará funcionário da entidade de caridade dos Sussexes. Entretanto deveremos saber sobre isso quando a entidade for lançada.

O Duque de Sussex manterá sua colocação como major do exercito e suas nomeações honorárias de tenente-comandante e líder de esquadrão. As duas últimas foram nomeações da Rainha, e seguindo o acordo estabelecido, Harry não participará de nenhum evento oficial referente a essas nomeações e no próximo ano quando o acordo for revisado, provavelmente Harry perderá as nomeações honorárias. Contudo ele segue com seu apoio e projetos ligados aos militares.

Os Sussexes também deixaram bastante claro que não pretendem lançar uma fundação de caridade, e sim, uma entidade sem fins lucrativos. Partindo do inicios da polemicas referente ao uso do nome Royal na possível “fundação”, o acordo feito deixa bastante claro que o Duque e a Duquesa não usarão Royal nem Sussex Royal em seus veículos oficiais de informação, ou seja, sua entidade de caridade não levará o Royal em seu nome e o username do instagram até hoje conhecido como SussexRoyal será mudado a qualquer instante a partir do dia 01 de abril.

A marca Sussex Royal anteriormente registrada pelo casal com fim de proteger o nome também será liberada nas próximas semanas. O Duque e a Duquesa não pretendiam lançar nenhum produto com esse nome, eles somente o protegeram assim como os Cambridges fizeram com a marca The Royal Foundation.

Voltando ao tópico fundação de caridade e entidade sem fins lucrativos, vamos tentar esclarecer a diferença das duas para que enfim você possa entender o que é pretendido pelo Duque e a Duquesa de Sussex, deixando claro que pode haver variações no conceito dependendo do país:

Entidade sem fins lucrativos é toda união de pessoas, promovida com um fim determinado, seja de ordem beneficente, literária, científica, artística, recreativa, desportiva ou política, que não tenha finalidade lucrativa. Sua finalidade pode ser altruística – como uma associação beneficente que atende a uma comunidade sem restrições qualificadas – ou não altruística, no sentido de que se restringe a um grupo seleto e homogêneo de associados.

Fundação é a instituição que se forma ou se funda pela constituição de um patrimônio para servir a certo fim de utilidade pública ou atuar em benefício da sociedade. As fundações se caracterizam por seus fins de caridade ou beneficentes (seu objetivo principal), e pelo fato de ocorrer, com a sua instituição, uma personalidade patrimonial. Isso quer dizer que, diferente das associações, onde o núcleo central é o indivíduo, nas fundações o núcleo central é o patrimônio.

De qualquer forma, os moldes com que eles trabalharão serão anunciados pelos próprios nas próximas semanas. Gostaríamos de deixar leituras interessantes para vocês de alguns jornalistas que não fazem duplo juízo de valor.

Alan Rusbridger escreveu um artigo no The Guardian sobre como a realeza é perseguida pela mídia britânica e dá uma excelente visão das coisas que aconteceram com os Sussexes.

Já no Buzzfeed, Ellie Hall de maneira sucinta nos deixa pensar sobre as razões que levam que todas as manchetes da realeza ser ligada a Harry e Meghan (de forma negativa, diga-se de passagem), além de fazer questionamentos pertinentes sobre os vazamentos de informações do Duque e da Duquesa vindos do Palácio.